Policiais franceses são presos por agredir homem negro | Notícias internacionais e análises | DW | 27.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Policiais franceses são presos por agredir homem negro

Quatro agentes participaram de agressões contra produtor musical. Presidente francês diz que ato envergonha o país e pede combate à discriminação.

Imagem de vídeo de agressão de policiais na França contra homem negro

Agressão ocorreu no sábado e veio à tona dias depois

Quatro policiais envolvidos na agressão conta um produtor musical negro, identificado apenas como Michel, foram presos nesta sexta-feira (27/11), segundo afirmou um promotor do caso.

Chamados para prestar depoimento, os agentes, que já estavam suspensos, foram detidos no órgão supervisor da polícia francesa, IGPN, que está investigando alegações de ofensas raciais e agressões físicas ao produtor musical negro durante uma batida policial em Paris.

Imagens de câmeras de vigilância e de um telefone celular mostrariam os policiais usando gás lacrimogênio contra a vítima, sem razão aparente. Segundo a mídia francesa, o produtor estaria andando por Paris no último sábado sem máscara protetora, quando avistou um carro de polícia. Para evitar ser multado, ele correu para seu estúdio de música.

As imagens feitas por vizinhos e publicadas no site francês Loopsider mostram os três policiais seguindo Michel e o atacando com socos, pontapés e golpes de cassetete, e bradando epítetos racistas. Expulsos por moradores do prédio, os policiais teriam retornado com reforços e atirado uma granada de gás lacrimogênio dentro do estúdio.

O cidadão negro foi levado à delegacia e mantido em custódia por 48 horas, acusado de "violência contra pessoa depositária de autoridade pública" e "rebelião".

Macron se diz chocado

O caso chocou a França. Nesta sexta-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que as imagens da agressão "envergonham" o país e pediu ao governo que "apresente rapidamente propostas" para "lutar com maior eficácia contra toda a discriminação".  

"A França nunca poderá permitir que floresçam o ódio ou o racismo. A França nunca deve recorrer à violência ou à brutalidade, de onde quer que ela venha", afirmou Macron numa declaração divulgado no Facebook. O presidente disse ainda que ficou "chocado" com o episódio e pediu contundência para punir os agentes que quebram os códigos. 

O incidente vem num momento em que o governo do presidente Emmanuel Macron submete a aprovação uma nova lei de segurança, cujo Artigo 24 restringe a possibilidade de gravar e divulgar a ação da polícia, estando previstas multas de até 45 mil euros e um ano de prisão. O fim declarado é proteger os agentes de ameaças psíquicas e físicas.

O projeto, que ainda aguarda aprovação pelo Senado, suscitou protestos de grupos pelos direitos civis e jornalistas, os quais temem que o dispositivo favorecerá a ocultação de casos de brutalidade policial. Nos últimos dias, milhares protestaram contra a legislação.

CN/dw/lusa

Leia mais