Polônia quer mudar nome de campo de concentração | Notícias internacionais e análises | DW | 20.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polônia quer mudar nome de campo de concentração

Governo do país quer rebatizar memorial para ressaltar a responsabilidade alemã pelo antigo campo nazista de extermínio. Nova Lei do Holocausto criminaliza uso do termo "campo de concentração polonês".

Antigo campo de concentração de Majdanek, na Polônia

Antigo campo de concentração de Majdanek, na Polônia

O governo polonês quer mudar o nome do memorial do antigo campo de concentração nazista de Majdanek, para ressaltar a responsabilidade alemã pelo local de extermínio nazista.

Segundo um plano do vice-ministro polonês da Cultura, Jaroslaw Sellin, a instituição deve ser rebatizada como "Museu Estatal em Majdanek. Memorial no antigo campo de concentração e de extermínio alemão (1941-1944)", segundo reportagem desta terça-feira (20/03) do jornal polonês Gazeta Wyborcza.

O chefe administrativo da região de Lublin, no leste da Polônia, Przemyslaw Czarnek, teria feito a solicitação para mudança de nome. Czarnek também sugeriu que o nome do Memorial de Auschwitz seja modificado, para enfatizar a responsabilidade alemã.

Na Polônia, a chamada Lei do Holocaustoestá em vigor desde o início de março. A controversa legislação prevê punição com multas e até três anos de prisão para quem atribuir à nação polonesa ou ao seu povo corresponsabilidade por crimes do Terceiro Reich.

Um dos motivos para a criação da nova lei é a crítica ao uso de expressões como "campo de concentração polonês", as quais, na interpretação do governo em Varsóvia, contêm implícita uma acusação de corresponsabilidade polonesa pelos crimes nazistas.

O conselho do museu de Majdanek, criado em 1947, até agora tem se manifestado contra a mudança de nome. Pesquisas estimam que, de um total de 150 mil pessoas que foram deportadas para o campo de concentração entre 1941 e 1944, cerca de 80 mil morreram, incluindo cerca de 60 mil judeus.

MD/epd/ots

__________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais