Polícia russa detém mais de 200 manifestantes | Notícias internacionais e análises | DW | 07.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polícia russa detém mais de 200 manifestantes

Protestos contra Putin ocorrem em mais de 25 cidades no 65° aniversário do presidente. Convocação para manifestações partiu do líder opositor Alexei Navalni, que está preso.

A polícia russa prendeu mais de 200 manifestantes que participaram neste sábado (07/10) de protestos contra o presidente Vladimir Putin. As manifestações fazem parte de uma jornada nacional de protestos convocada pelo líder opositor Alexei Navalni, atualmente preso.

As detenções ocorreram em São Petersburgo, Yekaterimburgo, Samara, Pskov, Perm e Saratov, entre outras cidades. Segundo a organização OVD, há registros de 262 presos em 27 localidades diferentes. Em Moscou, os manifestantes gritaram  "A Rússia deve ser livre" e "Rússia sem Putin" durante uma marcha até o Kremlin.

Em São Petersburgo, epicentro dos protestos que coincidem com o 65° aniversário de Putin, as autoridades fecharam os acessos ao local do protesto, o Campo de Marte, mas mesmo assim cerca de 2 mil pessoas compareceram.

Navalni, que está preso após ser condenado a 20 dias de prisão por convocar  "protestos ilegais” expôs em seu blog sua principal reivindicação: sua participação e a de outros candidatos nas eleições presidenciais de março de 2018.

Antes dessa última prisão no início de outubro, Navalni já havia sido detido em outras ocasiões. Em 2013, ele chegou a ser condenado a três anos e meio de prisão por fraude, uma acusação que ele refutou e atribuiu a uma campanha de perseguição política por parte do Kremlin.

JPS/efe

Leia mais