Polícia pede prisão de viúva do embaixador grego | Episódio da série Minha avó e a Ditadura gravado no Brasil | DW | 30.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Polícia pede prisão de viúva do embaixador grego

Investigadores afirmam que esposa, um policial militar e mais duas pessoas são suspeitas de envolvimento no assassinato do diplomata. Polícia confirma que corpo encontrado em carro incinerado é do embaixador.

A polícia suspeita do envolvimento da esposa e de um policial militar com quem ela teria um caso amoroso no assassinato do embaixador da Grécia no Brasil, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (30/12) pela TV Globo, que cita policiais.

O embaixador da Grécia, Kyriakos Amiridis, 59 anos, estava desaparecido desde segunda-feira à noite. A esposa dele, a brasileira Françoise, comunicou a ausência dele à polícia nesta quarta-feira.

Nesta sexta-feira, a polícia confirmou que o corpo que estava dentro de um veículo incendiado encontrado embaixo de um viaduto do Arco Metropolitano, em Nova Iguaçu (RJ), é de Amiridis.

Os investigadores pediram a prisão da mulher do embaixador, do policial militar Sérgio Gomes Moreira Filho, que teria confessado o crime, e de mais duas pessoas. A principal hipótese da investigações é de crime passional. Os dois outros suspeitos não tiveram seus nomes divulgados.

A polícia disse à TV Globo acreditar que os dois organizaram e, possivelmente, executaram o assassinato de Amiridis dentro da casa do diplomata em Nova Iguaçu.

O investigador de polícia Giniton Lages afirmou à agência de notícias AP que manchas de sangue, possivelmente da vítima, foram encontradas num sofá dentro da casa. Lages afirmou que autoridades acreditam que o corpo do embaixador foi levado da casa ao carro que ele alugara.

O diplomata, que foi cônsul da Grécia no Rio de Janeiro entre os anos de 2001 e 2004 e assumiu como embaixador em Brasília no início deste ano, passava em Nova Iguaçu suas férias de fim de ano. Ele iniciou sua carreira diplomática em 1985 e foi titular na Líbia entre os anos 2012 e 2016, antes de assumir como embaixador em Brasília.

MD/rtr/ap/ots

Leia mais