Polícia francesa faz busca em apartamento da diretora do FMI | Notícias internacionais e análises | DW | 20.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Polícia francesa faz busca em apartamento da diretora do FMI

Christine Lagarde é investigada por, quando era ministra da Economia de Sarkozy, supostamente ter favorecido empresário em disputa judicial contra o Estado francês.

A polícia francesa cumpriu nesta quarta-feira (20/03) um mandado de busca e apreensão na casa da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, em Paris. A batida faz parte da investigação sobre um escândalo ocorrido no período (2007-11) em que ela foi ministra da Economia do governo Nicolas Sarkozy.

Há suspeitas de que Lagarde teria agido de forma imprópria ao referendar, em 2007, o pagamento de uma indenização milionária ao magnata e ex-ministro Bernard Tapie numa disputa judicial contra o Estado.

Segundo Yves Repiquet, advogado de Lagarde, sua cliente está colaborando com as investigações. "Ela não tem nada a esconder. Essa busca vai ajudar a revelar a verdade, que contribuirá para desvincular minha cliente de qualquer atividade imprópria", afirmou.

O escândalo está relacionado à venda do grupo Adidas ao banco estatal francês Crédit Lyonnais, em 1993. Tapie, então à frente da empresa, alegou que o banco o enganou, desvalorizando a Adidas na hora da negociação. Por isso, o empresário entrou na justiça, pedindo uma indenização.

Depois de anos de disputa, Lagarde decidiu recorrer a um tribunal arbitral para resolver o litígio entre o organismo público que cuidava do passivo do Crédit Lyonnais (CDR) e o empresário e antigo ministro Bernard Tapie. Em 2008, o tribunal arbitral, que é uma jurisdição privada, condenou o CDR a indenizar o magnata em 285 milhões de euros (400 milhões de euros com juros).

O que está sendo investigado é se a decisão da ex-ministra teria sido motivada pelo apoio que Bernard Tapie deu a Sarkozy nas eleições de 2007. Em 2012, o empresário manteve o apoio ao então presidente durante a eleição. Lagarde se defende dizendo que sua decisão foi a melhor solução possível na época.

CN/afp/rtr/dpa

Leia mais