1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto mostra muitos diferentes uniformes nazistas
Somente um dos uniformes nazistas da coleção está avaliado em 250 mil eurosFoto: Policia Civil RJ/Handout/REUTERS
CriminalidadeBrasil

Polícia do Rio encontra 3 milhões de euros em itens nazistas

7 de outubro de 2021

Agentes cumpriam mandado de prisão em casa de suspeito de estupro de menor na zona oeste da cidade quando se depararam com os objetos. Dono da coleção nega o Holocausto e teria comprado os itens com sua herança.

https://www.dw.com/pt-br/pol%C3%ADcia-do-rio-encontra-cole%C3%A7%C3%A3o-nazista-avaliada-em-3-milh%C3%B5es-de-euros/a-59430641?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

A polícia civil do Rio de Janeiro disse nesta quarta-feira (06/10) que encontrou na casa de um suspeito de estuprar um menor de idade uma coleção de objetos e armas nazistas no valor de cerca de 3 milhões de euros.

As autoridades policiais afirmaram ter encontrado mais de mil itens na casa do suspeito de 58 anos, incluindo uniformes nazistas, recortes de jornais, pinturas, insígnias nazistas, imagens de Adolf Hitler, bandeiras e medalhas do Terceiro Reich, além de armas e munições da época.

Os itens foram descobertos quando a polícia foi à casa do homem para cumprir um mandado de prisão por suspeita de estupro de um menor no condomínio em que ele mora, na zona oeste da cidade. O suspeito também foi acusado de porte ilegal de arma e de discriminação racial.

"Ele é um cara inteligente e articulado, mas nega o Holocausto, é homofóbico, pedófilo e diz que caça homossexuais", disse o delegado Luis Armond, responsável pelo caso. "Não sou médico, mas ele me parece um psicopata maluco", acrescentou.

Coleção comprada com herança

Armond disse que o suspeito vem de uma família rica de investidores e, provavelmente, usou sua herança para construir a coleção. Ele estimou que apenas um uniforme nazista de alto escalão esteja avaliado, em média, em 250 mil euros.

A polícia investiga a conexão do suspeito com nazistas e outros grupos de extrema direita e se ele atuava em um mercado para tais objetos.

Armond afirmou que será necessário encontrar um museu para abrigar a coleção. "Isso é algo totalmente incomum e chocante", disse.

le (reuters, ots)