Polícia de Londres descarta terrorismo em ataque com faca | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polícia de Londres descarta terrorismo em ataque com faca

Crime que resultou na morte de uma mulher e deixou mais cinco feridos é resultado de problemas mentais do agressor, afirma Scotland Yard. Não há sinais de radicalização por terroristas.

Local de ataque a faca crime, no centro de Londres

Local do crime, no centro de Londres

A polícia de Londres afirmou nesta quinta-feira (04/08) que o ataque com faca ocorrido na noite anterior no centro da cidade, que resultou na morte de uma mulher de cerca de 60 anos e deixou cinco pessoas feridas, foi espontâneo, com vítimas escolhidas ao acaso e sem motivação terrorista.

O comissário da Scotland Yard Mark Rowley disse que o crime ocorrido na praça Russell Square "foi resultado dos problemas mentais" do agressor, de 19 anos, com base nos interrogatórios aos quais submeteu o criminoso e seus familiares. Ele ressaltou que a polícia não encontrou nenhuma evidência que indicasse que o homem tivesse sido "radicalizado" por terroristas.

A polícia havia divulgado antes que o autor do ataque é um cidadão norueguês de origem somali, mas Rowley afirmou que "fatores sobre a procedência não são relevantes para estabelecer a motivação do crime".

"Embora a investigação ainda não tenha terminado, todo o trabalho realizado até o momento indica que esse incidente trágico se desencadeou por problemas de saúde mental. Enfatizo que, até o momento, não achamos nenhuma evidência de radicalização que sugira que o homem detido tenha agido, de alguma maneira, por terrorismo", explicou.

O comissário disse que os agentes interrogaram o suspeito durante toda a noite, falaram com seus familiares e com as testemunhas do ocorrido, fizeram batidas e uma revisão completa de dados dos serviços de inteligência junto com os de segurança. A mulher que morreu no ataque era cidadã dos Estados Unidos.

AS/efe/ap

Leia mais