Piratas sequestram marinheiros gregos na Nigéria | Notícias internacionais e análises | DW | 29.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Piratas sequestram marinheiros gregos na Nigéria

Autoridades da Grécia afirmam que negociação para a libertação de reféns está em andamento. Esse é o 23º sequestro ocorrido no Golfo da Guiné neste ano.

O governo da Grécia afirmou neste domingo (29/11) que o proprietário de um navio-tanque está negociando com piratas a libertação de três marinheiros gregos que foram sequestrados em meados de novembro na costa da Nigéria.

A tripulação do navio Stelios K, como bandeira do Togo, foi ataque em 16 de novembro no Golfo da Guiné. Os piratas levaram o capitão e dois marinheiros como reféns. Dois outros tripulantes, que foram deixados na embarcação, conseguiram conduzir o navio em segurança até o porto de Lagos, na Nigéria.

Em comunicado, o Ministério da Marinha Mercante da Grécia afirmou que os cinco tripulantes estão em bom estado de saúde e informou que a empresa proprietária do navio, a Royal Ship Management, está negociando a libertação dos reféns.

O sindicato dos marinheiros gregos Penen pediu ao governo que "assuma a iniciativa, tanto no nível marítimo internacional, quanto junto a governos dos países onde ocorrem os ataques, para o problema possa ser resolvido da forma mais eficaz possível". O sindicato solicitou ainda que as famílias dos reféns sejam informadas sobre o processo de negociação.

O ataque ao Stelios K foi o 23º registrado neste ano no Golfo da Guiné. No total, 118 marinheiros foram sequestrados por piratas, segundo a empresa britânica de segurança marítima Dryad Global. Depois deste sequestro, o segundo ocorrido em apenas três dias, a empresa elevou a classificação de risco para a região para o patamar "crítico" e alertou embarcações para terem maior cautela ao navegarem pelo Golfo da Guiné.

CN/afp/dw

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados