Petroleiros iniciam greve apesar de proibição da Justiça | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 30.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Petroleiros iniciam greve apesar de proibição da Justiça

Federação Única dos Petroleiros mantém paralisação de 72 horas em solidariedade a movimento dos caminhoneiros. Na véspera, Tribunal Superior do Trabalho concedeu liminar impedindo a greve.

Plataforma da Petrobras

Apesar de ameaça de multa de 500 mil reais, petroleiros mantêm greve em plataformas, refinarias e terminais

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) confirmou via Facebook e Twitter o início de uma greve de 72 horas da categoria, nesta quarta-feira (30/05), apesar de o Tribunal Superior do Trabalho (TST) ter concedido uma liminar que impedia a paralisação dos petroleiros. 

Em comunicado divulgado no começo da madrugada desta quarta-feira, o coordenador geral da FUP, José Maria Rangel, afirmou que a categoria não se intimidará e que a greve em refinarias, terminais e plataformas será mantida.

"A Justiça do Trabalho está agindo como a justiça do capital. Esse é o papel que ela tem cumprido ao longo dos últimos anos", declarou o líder petroleiro.

Os petroleiros anunciaram no último fim de semana que parariam as atividades em solidariedade à greve dos caminhoneiros, além de pedir a renúncia do presidente da Petrobras, Pedro Parente. Rangel criticou o TST por ter adotado uma posição sem considerar  o lado dos trabalhadores.

"O principal ponto que eles colocam é o fato de a greve ser política. A primeira coisa que os ministros do TST tinham que se perguntar é como eles chegaram ao Tribunal. Foi através de indicação política. O fato de Pedro Parente estar destruindo a Petrobrás é uma decisão política. Tudo em nossa vida gira em torno da política", ressaltou.

A FUP comunicou que trabalhadores não entraram para trabalhar nas refinarias de Manaus (Reman), Abreu e Lima (Pernambuco), Regap (Minas Gerais), Duque de Caxias (Reduc), Paulínia (Replan), Capuava (Recap), Araucária (Repar), Refap (RS), além da Fábrica de Lubrificantes do Ceará (Lubnor), da Araucária Nitrogenados (Fafen-PR) e da unidade de xisto do Paraná (SIX).

Também não houve troca dos turnos da zero hora nos terminais de Suape (PE) e de Paranaguá (PR). Além disso, na Bacia de Campos, as informações iniciais eram de que os trabalhadores também aderiram à greve em diversas plataformas. O movimento prossegue nesta quarta-feira, quando estão previstas paralisações nas demais bases do sistema Petrobras.

Segundo a FUP, também serão realizados nesta quarta-feira atos e manifestações em apoio aos petroleiros e contra a política de preços imposta pelo presidente da Petrobras. A entidade acusa Parente de "gerar uma escalada de aumentos abusivos no gás de cozinha e nos combustíveis".

"Eles queriam que a gente visse o desmonte que a Petrobras está sofrendo e morrêssemos igual carneiro, com as lágrimas escorrendo? Nós não vamos fazer isso", declarou Rangel.

TST decreta multa diária de 500 mil reais

Na véspera, a ministra Maria de Assis Calsing, do TST, decidiu impedir o início da greve dos petroleiros que trabalham em refinarias da Petrobras. A liminar foi concedida a pedido de Advocacia-Geral da União (AGU).

Para a AGU, a greve dos petroleiros, em meio ao quadro de desabastecimento provocado pela paralisação de caminhoneiros, trará prejuízos gravíssimos à sociedade, tendo em vista o potencial para prejudicar o abastecimento do mercado interno de gás natural, petróleo e seus derivados. 

Ao analisar o caso, a ministra entendeu que a greve seria abusiva e "realizada para incomodar". Pela decisão, os sindicatos dos grevistas deverão pagar multa diária de 500 mil reais em caso de descumprimento e também estão impedidos de travar o trânsito de mercadorias e pessoas nas refinarias. 

"É potencialmente grave o dano que eventual greve da categoria dos petroleiros irá causar à população brasileira, por resultar na continuidade dos efeitos danosos causados com a paralisação dos caminhoneiros", considerou a ministra.  

"Beira o oportunismo a greve anunciada, cuja deflagração não se reveste de proporcionalidade do que poderia, em tese, ser alcançado com a pauta perseguida e o sacrifício da sociedade para a consecução dos propósitos levantados", acrescentou.

PV/abr/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais