Pesquisa coloca AfD como segunda maior força na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 21.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pesquisa coloca AfD como segunda maior força na Alemanha

Partido populista alcança 18% e ultrapassa social-democratas na preferência do eleitorado alemão, segundo levantamento da emissora ARD. CDU e CSU, de Merkel e Seehofer, caem para 28%.

O partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) chegou a 18% das intenções de voto na pesquisa Deutschlandtrend, encomendada pela emissora ARD ao instituto Infratest Dinap e divulgada nesta sexta-feira (21/09).

A AfD subiu dois pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, de 6 de setembro. Esse é o melhor percentual já alcançado pela AfD, que pela primeira vez aparece como segunda maior força partidária da Alemanha numa pesquisa.

Infografik Deutschlandtrend Sonntagsfrage PT

A União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU), liderados respectivamente pela chanceler federal Angela Merkel e pelo ministro do Interior, Horst Seehofer, caíram um ponto percentual e estão agora com 28%.

Esse é o pior resultado da união entre CDU e CSU desde que a pesquisa começou a ser feita, em novembro de 1997.

O terceiro partido da coalizão de governo, o Partido Social-Democrata (SPD), também caiu um ponto percentual, para 17%.

O Partido Verde alcançou 15% na pesquisa, alta de um ponto percentual, e o Partido Liberal (FDP) chegou a 9%, também alta de um ponto. A Esquerda manteve o percentual anterior, de 10%.

A pesquisa ouviu 1.035 eleitores em toda a Alemanha, por meio de entrevistas telefônicas, entre segunda e quarta-feiras.

A pesquisa é divulgada em meio a uma nova crise na coalizão entre CDU, CSU e SPD, que teve origem nas declarações do chefe do serviço secreto, Hans-Georg Maassen, sobre as recentes manifestações de extrema direita na cidade de Chemnitz.

Maassen contradisse a chanceler federal e colocou em dúvida se de fato houveram perseguições a pessoas de aparência estrangeira durante as manifestações, apesar de vídeos na redes sociais que mostram o contrário.

O SPD pressionou pela demissão de Maassen, o que acabou acontecendo nesta terça-feira. Porém, Seehofer o chamou para o seu ministério, no cargo de vice-ministro da Segurança. Vários membros do SPD criticaram a decisão e colocaram a presidente do partido, Andrea Nahles, sob pressão por ter aceitado o acerto.

A pesquisa da Infratest Dinap mostrou que a aprovação do trabalho de Seehofer despencou. Apenas 28% dos entrevistados consideram que ele é um bom nome para ocupar o cargo, ante 39% em abril. Outros 59% disseram que ele não é uma boa escolha para ser ministro do Interior.

AS/ard

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais