Peru pedirá ao Grupo de Lima que rompa relações com Venezuela | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Peru pedirá ao Grupo de Lima que rompa relações com Venezuela

Ministro peruano afirma que medida deve contribuir para encerrar "ditadura de Maduro". Grupo formado pelo Brasil e outros 11 países não reconhece vitória do líder chavista na última eleição presidencial.

Nicolas Maduro (Reuters/Miraflores Palace)

Maduro iniciará um novo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro

O governo do Peru vai propor ao Grupo de Lima, na próxima reunião, em janeiro, "a ruptura de relações diplomáticas com a Venezuela", anunciou nesta sexta-feira (07/12) o ministro da Relações Exteriores peruano, Néstor Popolizio.

Durante uma reunião com os correspondentes da Associação de Imprensa Estrangeira no Peru (APEP), Popolizio afirmou que, como o Grupo de Lima não reconheceu as eleições presidenciais em maio passado na Venezuela, vencida por Nicolás Maduro, "a consequência natural é quebrar relações diplomáticas com a Venezuela".

"É uma proposta que faremos em grupo, e veremos que países estão de acordo em fazer isto", apontou o chanceler peruano.

O Peru também proporá ao Grupo de Lima, que inclui Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, uma série de medidas de imigração, políticas e financeiras contra o regime de Maduro.

As medidas, se aprovadas, serão a mais contundente ação do grupo de Lima por reformas democráticas na Venezuela. Popolizio disse que essas propostas do Peru pretendem contribuir para o fim da "ditadura de Maduro", que iniciará um novo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro, em virtude dos resultados das eleições de 23 de maio, que não foram reconhecidas por grande parte da comunidade internacional.

Também será solicitado pelo Peru uma medida similar à adotada pelos Estados Unidos, que bloqueia o acesso à cúpula do regime venezuelano ao seu território, "para que eles saibam que em nenhum país do Grupo de Lima serão bem-vindos", disse o chanceler.

"Como a única coisa que reconhecemos como autoridade representativa é a Assembleia Nacional, que foi democraticamente eleita pelos venezuelanos, vamos propor que medidas financeiras sejam coordenadas com esta", detalhou Popolizio. "O que nós queremos é que haja importante pressão internacional para levar à mobilização da oposição, estabelecer um mecanismo de transição e encerrar o regime de Maduro", disse o chanceler.

JPS/efe/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais