Percepção de corrupção no Brasil não mudou, diz Transparência Internacional | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.12.2013

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Percepção de corrupção no Brasil não mudou, diz Transparência Internacional

Protestos contra a corrupção e prisão de "mensaleiros" não influenciaram posição brasileira em ranking da Transparência Internacional. Brasil segue abaixo da linha dos 50 pontos e ONG diz que há muito por fazer.

O Brasil se manteve estável no Índice de Percepção da Corrupção apresentado nesta terça-feira (03/12), em Berlim, pela Transparência Internacional, uma ONG cujo principal objetivo é a luta contra a corrupção. Entre os 177 países avaliados, o Brasil alcançou a 72ª colocação em 2013, com 42 pontos – um ponto a menos e três posições abaixo em comparação ao ranking de 2012, ficando dentro da margem de erro da pesquisa.

Apesar de a queda não ser grande – a organização considera significativa uma alteração de mais de quatro pontos de um ano para o outro – a situação do Brasil é preocupante. O país, juntamente com dois terços das nações e territórios pesquisados, ainda se mantém no grupo com menos de 50 pontos numa escala de zero (percepção de altos níveis de corrupção) a 100 (percepção de baixos níveis de corrupção).

"Isso não é uma boa notícia, porque o Brasil é um líder que deveria mostrar um melhor resultado", afirma Alejandro Salas, diretor regional para as Américas da Transparência Internacional, em entrevista à DW. "O país é uma economia emergente de primeiro nível e quer se colocar como um ator internacional relevante, mas, quando se trata de boa governabilidade, está indo mal."

Uruguai (73 pontos) e Chile (72) foram os países latino-americanos mais bem avaliados. Porto Rico (62), Costa Rica (53) e Cuba (46) também ficaram acima do Brasil. As últimas colocações entre os países americanos são Paraguai (24), Venezuela (20) e Haiti (19), sendo que a liderança na América ficou com Canadá (81), Barbados (75) e EUA (73). A última colocação do ranking foi dividida por Afeganistão, Coreia do Norte e Somália, com 8 pontos cada.

O índice leva em conta a opinião de especialistas sobre a corrupção no setor público. As pontuações dos países podem ser positivas se existir um amplo acesso a sistemas de informação e normas que regulem o desempenho de quem ocupa os cargos públicos, enquanto que a falta de prestação de contas do setor público, somada a instituições pouco eficazes, são fatores que deterioram essas percepções.

Pontuação média próxima a África e países árabes

Prozess Mensalao-Skandal in Brasilien

Supremo Tribunal Federal (STF) condenou diversos políticos e empresários no caso do mensalão

Salas afirma que a pontuação média dos países da América Latina é de 39 – valor muito próximo dos países árabes (37) e dos países africanos (33). Em comparação, países da Europa Ocidental obtiveram, em média, 66 pontos – entre eles, a líder do ranking, Dinamarca (91), empatada com a Nova Zelândia –, além da Finlândia (89), com a mesma pontuação da Suécia. A Alemanha ficou na 12ª posição, com 78 pontos.

"Nada contra os países africanos ou árabes, mas a América Latina, onde existem sistemas eleitorais democráticos funcionando, eleições e um pouco mais de liberdade de expressão – coisas que vários países árabes e africanos não têm –, deveria estar mais próxima da pontuação média da Europa do que da África", diz Salas.

Ele cita que a região latino-americana possui instituições públicas e organizações da sociedade civil que atuam contra a corrupção, além de os países terem assinado tratados e convenções internacionais contra a corrupção e a maioria dos países possuírem leis de acesso à informação pública.

"Mas é preciso usar essa infraestrutura. É como construir uma ponte muito moderna e não poder usá-la. Isso é o que está acontecendo na América Latina: os líderes políticos e a sociedade civil têm a responsabilidade de fazer funcionar essa infraestrutura. Isso explica, na minha opinião, porque estamos tão abaixo e próximos, na pontuação média, de países africanos e árabes", afirma Salas.

Protestos e caso do mensalão devem melhorar próximos índices

Os protestos que levaram milhões de brasileiros às ruas neste ano, além da aprovação e implementação de leis que combatem a corrupção e a impunidade, tal como a Lei da Ficha Limpa, do Acesso à Informação e a Anticorrupção Empresarial, são avanços importantes, mas que ainda não foram suficientes para aumentar a pontuação do país em 2013. Mas esses fatores deverão influenciar os próximos rankings, já que o índice se alimenta das informações dos últimos dois anos.

"Diminuir a corrupção de um país é um processo de longo prazo, a pontuação não vai melhorar de um ano para o outro. Tivemos muitos fatos positivos, como a Lei de Acesso à Informação, que devem se refletir nos próximos anos. A própria prisão dos mensaleiros é um fato positivo e manda uma mensagem, agora que os políticos poderosos também vão para a cadeia", diz Josmar Verillo, vice-presidente da Amarribo, braço brasileiro da Transparência Internacional.

Ele diz que, quando a Amarribo surgiu, em 1999, a situação do país era muito pior, já que entrar com um processo na Justiça ou propor a cassação de um político era muito mais difícil por causa da falta de leis que davam acesso a documentos. Hoje, as condições melhoraram e isso deverá se refletir também nos próximos índices.

"Porém, há ainda muito trabalho para ser feito. Estamos longe de padrões escandinavos. Mas existe uma questão cultural que começa a ser vencida, a do 'jeitinho' brasileiro, de tentar resolver as coisas da forma mais fácil", afirma Verillo. "Isso está sendo um processo de mudança cultural e as empresas privadas e o governo têm grande responsabilidade."

Leia mais