Pentágono anuncia retirada substancial de tropas do Afeganistão | Notícias internacionais e análises | DW | 17.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Pentágono anuncia retirada substancial de tropas do Afeganistão

Por ordem de Trump, contingente militar dos EUA no país será reduzido de 4.500 para 2.500 até 15 de janeiro, pouco antes da posse de Joe Biden. Líder republicano no Senado alerta contra mudanças bruscas na região.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reduzirá drasticamente o número de forças dos EUA no Afeganistão de 4.500 para 2.500 antes de deixar o cargo, anunciou o Pentágono nesta terça-feira (17/11), sem confirmar a retirada completa de militares americanos do país, o que o republicano vinha ameaçando realizar até o Natal.

A redução substancial das tropas ordenada por Trump ocorrerá até 15 de janeiro, poucos dias antes da posse presidencial.

A decisão de Trump de uma retirada parcial gerou alertas de críticos que afirmam que isso prejudicará a segurança na região e afetará as frágeis negociações de paz com o Talibã.

O secretário de Defesa dos EUA, Christopher Miller, que Trump nomeou na semana passada depois de demitir Mark Esper, confirmou a retirada e também delineou uma retirada modesta de forças no Iraque, reduzindo o número de soldados dos EUA no país de 3.000 para 2.500.

Trump demitiu Esper do cargo de chefe do Pentágono em 9 de novembro, uma decisão esperada depois que Esper se opôs ao plano do presidente de enviar tropas para suprimir os protestos contra a violência policial no país.

Logo depois do anúncio, o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, um importante aliado de Trump, alertou contra quaisquer mudanças importantes na defesa ou política externa dos EUA nos próximos meses - incluindo grandes retiradas de tropas no Afeganistão e no Iraque. "Uma rápida retirada das forças dos EUA do Afeganistão agora prejudicaria nossos aliados e seria vista com prazer pelas pessoas que desejam nosso mal", disse.

Autoridades americanas e afegãs vêm também alertando sobre níveis preocupantes de violência por parte dos insurgentes do Talibã e das persistentes ligações do grupo com a rede Al-Qaeda.

Foram esses laços que desencadearam a intervenção militar dos EUA em 2001, após os ataques da Al-Qaeda no 11 de Setembro nos Estados Unidos. Milhares de soldados americanos e aliados morreram em combates no Afeganistão desde então.

Alguns oficiais militares dos EUA vinham pedindo a Trump para que mantivesse os níveis atuais de tropas dos EUA em cerca de 4.500 pelo menos por enquanto.

A retirada, porém, ficou aquém da promessa de Trump, feita em 7 de outubro, quando disse no Twitter: "Devemos ter o pequeno número restante de nossos bravos homens e mulheres servindo no Afeganistão em casa até o Natal!"

JPS/efe/rt

Leia mais