Partido Verde alcança vitória histórica em eleições regionais alemãs | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 27.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Partido Verde alcança vitória histórica em eleições regionais alemãs

Verdes mais que dobram seus votos nas eleições de Baden-Württemberg e da Renânia-Palatinado e integrarão coalizões de governo nos dois estados. Partido de Merkel perde bastião que governa desde 1953.

default

Winfried Kretschmann está perto de ser o primeiro governador verde da Alemanha

O estado alemão de Baden-Württemberg, um reduto que a União Democrata Cristã (CDU) governa de forma ininterrupta desde 1953, passará para as mãos da oposição social-democrata e verde, de acordo com resultados preliminares das eleições regionais deste domingo (27/03) na Alemanha. Também o estado vizinho da Renânia-Palatinado, que até agora é governado pelo Partido Social Democrata (SPD), passará a ser governado por uma coalizão entre social-democratas e verdes, segundo prognósticos das emissoras de televisão.

De acordo com os resultados preliminares, a CDU, partido da chanceler-federal Angela Merkel, obteve em Baden-Württemberg 39% dos votos e perdeu 5,2 pontos percentuais em relação às eleições de 2006. O Partido Verde deu um salto, alcançando mais de 24% (frente a 11,7% em 2006). O SPD perdeu 2,1 pontos percentuais para fechar em 23,1%.

Dessa forma, verdes e social-democratas contam com a maioria necessária para desbancar os conservadores do governo de Stuttgart depois de quase 60 anos, e um político verde, o candidato Winfried Kretschmann, pode encabeçar pela primeira vez um governo regional na Alemanha. Essa hipótese é provável, pois o SPD afirmou antes das eleições que aceitaria ser a força minoritária numa coalizão com os verdes, caso estes obtivessem mais votos que os social-democratas.

Os liberais, tradicionalmente fortes neste estado próspero e conservador do sudoeste alemão, perderam quase a metade de seu apoio eleitoral e conseguiram a duras penas a representação parlamentar mínima, com 5,2% dos votos.

Fukushima enfraquece Merkel

O debate em torno do uso de energia nuclear, desencadeado após o acidente na central japonesa de Fukushima, dominou a campanha. A virada do governo Merkel, que anunciou uma moratória no plano de prolongar a vida dos reatores no país foi considerada por muitos eleitores como uma manobra eleitoral.

As eleições em Baden-Württemberg eram consideradas a prova de fogo para Merkel e seus parceiros liberais na série de sete eleições regionais que encerram em setembro com a votação na cidade-estado de Berlim. A derrota em Baden-Württemberg foi um duro golpe para a centro-direita de Merkel, que também perdeu em outros estados, a Renânia do Norte-Vestfália e Hamburgo.

A sorte também deu as costas para a CDU e seus aliados liberais na Renânia-Palatinado. Nesse estado, os social-democratas conseguiram se manter no poder, mas terão que se aliar aos verdes para seguir governando, de acordo com os prognósticos.

O número de votos do SPD, do governador Kurt Beck, caiu para 35,8% (diante dos 45,6% em 2006), enquanto os verdes regressaram ao Parlamento de Mainz triplicando seus votos de 2006, de 4,6% para 15,4% nas eleições deste domingo, resultado que também se interpreta como resposta ao acontecimentos no Japão.

A CDU de Merkel subiu para 35,3%, mas lhe faltou um aliado, já que o Partido Liberal ficou fora do Parlamento regional, com apenas 4% dos votos (frente a 8% em 2006). O partido A Esquerda fracassou no intento de superar o mínimo necessário de 5% em ambos os Parlamentos regionais.

FF/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais