Participação feminina confere à Alemanha 2º lugar em Jogos de Inverno | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 01.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Participação feminina confere à Alemanha 2º lugar em Jogos de Inverno

No total, a Alemanha arrebatou em Vancouver 10 medalhas de ouro, 13 de prata e 7 de bronze – 19 delas foram conquistadas por atletas femininas.

default

Medalha de ouro na patinação de velocidade

A história de Petra Majdic nos Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver dá a dimensão do que representou a competição, encerrada neste domingo (28/02). Depois de cair durante o treino e quebrar quatro costelas, a esquiadora eslovena de cross-country enfrentou a dor e participou da competição – e apesar da sua condição física, conquistou o bronze.

A noção de que os atletas se sacrificam pelos Jogos já ficara tragicamente provada antes mesmo de a competição em Vancouver começar – com o caso da morte de Nodar Kumaritashvili, corredor de luge da Geórgia.

Medalhas com toque feminino

A presença feminina foi grande no quadro de vencedores, com 19 das 30 medalhas da Alemanha conquistadas por mulheres. Dentre as estrelas que brilharam em Vancouver, está a biatleta Magdalena Neuner, de 23 anos, dois ouros e uma prata; e Maria Riesch, corredora de esqui alpino, de 25 anos – nomes já conhecidos. Há também os jovens talentos que surpreenderam e também conseguiram pódio no Canadá, como Stephanie Beckert, de 21 anos, atleta de patinação de velocidade, e Viktoria Rebensburg, esquiadora.

Aliás, foram justamente os esquiadores alpinos, tão criticados nos últimos anos, a render a maior parte das medalhas para o time alemão. Isso, graças ao trabalho de Riesch – dois ouros na supercombinada e na prova de slalon – e aos feitos inesperados de Rebensburg, com ouro no slalom gigante.

Olympische Spiele Vancouver Biathlon Magdalena Neuner Flash-Galerie

Magdalena Neuner a caminho da vitória no biatlon

Para Maria Riesch, que não participou dos jogos de 2006 em Turim devido a uma lesão, as Olimpíadas no Canadá foram a realização de um sonho. "Consegui algo que apenas duas alemãs conseguiram no esqui alpino. Poder me juntar a Katja Seizinger e Rosi Mittermaier é uma grande honra para mim", declarou.

Por outro lado, o desempenho dos homens nessas provas foi decepcionante. Felix Neureuther conseguiu apenas a oitava colocação no slalom gigante. E os competidores do biatlo estão entre os perdedores alemães da competição.

Os Jogos de Vancouver marcaram também o encerramento da carreira do corredor de bobsled alemão Andre Lange. Prata no quarteto ao lado de Alexander Rödiger, Kevin Kuske e Martin Putze, Lange ficou com ouro na prova em dupla com Kuske.

Momentos inesquecíveis

Outra imagem que ficou na memória desses jogos de inverno é a de Anna Friesinger-Postma. A patinadora de velocidade escorregou, caiu e, ainda assim, conseguiu fazer o tempo necessário para classificar o time feminino para a final. E a Alemanha conseguiu o ouro em cima do Japão, com a diferença de apenas dois centésimos de segundo.

Os resultados no cross-country também surpreenderam com cinco medalhas no total. Enquanto Axel Teichmann conquistou a prata nos 50 km com uma acelerada final fulminante, as mulheres foram sensação absoluta. Evi Sachenbacher-Stehle e Claudia Nystad ficaram com o ouro na prova por equipe.

Olympia Vancouver Deutschland Anna Friesinger-Postma Eisschnelllauf

Anna Friesinger-Postma escorregou mas conseguiu classificar o time

Digno de nota foi o mau desempenho de atletas alemães nas categorias "da moda", como snowboard e esqui estilo livre, nas quais não conquistaram uma só das 60 medalhas disponíveis. Mas até os jogos de 2018, que tem as cidades de Munique e Garmisch-Partenkirchen como candidatas a sede, a Alemanha deve ter atletas mais competitivos.

Investimento pesado

Foram justamente as modalidades mais em voga que ajudaram o Canadá a conseguir o primeiro lugar no quadro de medalhas, com seis ouros em categorias instituídas em 1992.

A marcha triunfal do Canadá suscita uma pergunta: teria o país-sede "comprado" essa vitória? Além dos 82 milhões de euros investidos, desde 2005 o Canadá trabalhava num programa para incentivar os atletas a buscar o ouro chamado "Own the Podium" – "Conquiste o pódio".

O investimento que rendeu metais preciosos ao Canadá talvez tenha arranhado um pouco o ideal do romantismo olímpico. Mas talvez esse seja um fato que agora faz parte da essência dos Jogos.

Autor: Joscha Weber (np)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais