Parlamento grego aprova orçamento com cortes exigidos por credores | Notícias internacionais e análises | DW | 12.11.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Parlamento grego aprova orçamento com cortes exigidos por credores

Em meio a novos protestos em Atenas, coalizão de governo consegue aprovar com ampla maioria o projeto de orçamento para 2013, que prevê cortes e ajustes exigidos pelos credores para liberar nova ajuda financeira.

O Parlamento da Grécia aprovou na noite deste domingo (11/11) o orçamento para 2013, que inclui novas medidas de austeridade exigidas pelos credores internacionais para desbloquear uma parcela de 31 bilhões de euros.

Com o apoio dos três partidos da coalizão de governo, a lei passou pelo Parlamento com uma maioria mais larga do que as medidas de austeridade aprovadas na quarta-feira passada. Ao todo, 167 deputados votaram a favor e 128 votaram contra.

A votação foi novamente acompanhada por protestos em frente ao Parlamento, onde cerca de 10 mil pessoas se reuniram para manifestar o seu descontentamento com as medidas de austeridade. Não houve registro de incidentes graves.

"A Grécia fez o que se esperava dela e agora é hora de os credores internacionais assumirem os seus compromissos", afirmou o primeiro-ministro, Antonis Samaras, aos parlamentares. Os ministros das Finanças da zona do euro se reúnem nesta terça-feira em Bruxelas para, entre outros assuntos, decidir sobre a liberação da parcela.

Retida pelos credores internacionais desde junho para obrigar a Grécia a adotar um rígido programa de ajustamento orçamental, a nova parcela é ansiosamente aguardada pelo governo, cujos cofres estão vazios já para pagar as contas do final deste mês.

De acordo com o programa aprovado na semana passada, a idade para aposentadoria passa para 67 anos. Também o valor das aposentadorias foi revisto para baixo. O plano reduz ainda em até 27% os vencimentos dos funcionários do alto escalão, fixando o salário bruto mensal em 1.872 euros para o chefe do Estado-Maior do Exército e em 1.459 euros para professores universitários.

O orçamento prevê que a economia grega recue 4,5% no próximo ano – depois de uma queda de 6,5% no ano corrente – e que o endividamento do Estado suba de 340 bilhões para 346 bilhões de euros, o que equivale a 189% do Produto Interno Bruto (PIB).

Griechenland Streikende vor dem Parlament in Athen

Votação foi acompanhada pro novos protestos em frente ao Parlamento

AS/lusa/rtr/afp
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais