Parlamento Europeu aprova meta ambiciosa de redução de emissões | Notícias internacionais e análises | DW | 08.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Meio ambiente

Parlamento Europeu aprova meta ambiciosa de redução de emissões

Lei prevê corte de 60% nas emissões de CO2 na União Europeia até 2030, em vez da meta atual de 40%. Medida precisa ser aprovada pelos países-membros do bloco.

O Parlamento Europeu aprovou nesta quinta-feira (08/10) uma proposta para reduzir as emissões que geram as mudanças climáticas. A nova meta prevê um corte de 60% nas emissões de CO2 da União Europeia (UE) até 2030, aumentando a meta sugerida pela Comissão Europeia de uma redução de 55% em relação aos níveis de 1990.

Em sessão plenária em Bruxelas, e não em Estrasburgo devido à pandemia de covid-19, os eurodeputados aprovaram a mudança por 392 votos a favor, 161 contra e 142 abstenções. Eles esperam agora que os Estados-membros do bloco não tentem diluir a meta nas próximas negociações.

Com a meta atual prevendo um corte de 40% nas emissões até 2030, muitos líderes nacionais consideram a redução de 60% ambiciosa demais.

A Comissão Europeia havia proposto um corte de pelo menos 55%, mas os eurodeputados, desejando evitar uma redução muito menor que esse índice, acabaram aprovando uma lei climática mais abrangente e, com isso, esperam pressionar os países a manter ao menos a meta de 55%.

Os parlamentares europeus aprovaram também a ambiciosa meta de alcançar a neutralidade climática até 2050, ou seja, zerar o nível de emissões líquidas de carbono até a metade do século, e tornar assim a Europa o primeiro continente do mundo a alcançar esse objetivo.

O Parlamento pediu ainda que os países do bloco eliminem "os subsídios diretos ou indiretos às indústrias fósseis" até 2025, e solicitou à Comissão Europeia que proponha um novo objetivo de emissões para 2040.

A lei completa, que inclui a nova meta de corte de emissões para 2030, foi aprovada por uma maioria de 231 votos a favor.

A relatora da nova legislação, Jytte Guteland, do Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D), saudou a votação, realçando que a aprovação "envia uma mensagem clara à Comissão e ao Conselho, tendo em vista as próximas negociações". "Esperamos que todos os Estados-membros atinjam a neutralidade climática, o mais tardar, até 2050", sublinhou. 

Cabe agora ao Conselho Europeu aprovar a nova meta, um processo nada fácil devido à dependência de certos países europeus em indústrias fósseis. Até agora, apenas poucos países expressaram apoio à proposta dos eurodeputados.

Com uma forte indústria de carvão, a República Tcheca, por exemplo, já havia se oposto ao corte de 55% proposto pela Comissão Europeia e disse que precisava de uma análise econômica detalhada para decidir se aprovaria novas metas.

As reduções de emissões de gases que causam o efeito estufa são essenciais para desacelerar o processo de mudanças climáticas, mas cientistas, políticos e industriais discordam sobre o quão urgente e radical esse corte precisa ser para evitar um aquecimento global acima de 1,5 °C, conforme estabelecido no Acordo de Paris.

CN/afp/lusa/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados