Parlamento espanhol abre caminho para eleições antecipadas | Notícias internacionais e análises | DW | 13.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Espanha

Parlamento espanhol abre caminho para eleições antecipadas

Legislativo rejeita proposta de orçamento apresentada pelo governo Sánchez, o que pode levar à convocação de eleições gerais antes do fim da atual legislatura. Questão catalã foi crucial para resultado da votação.

Pedro Sánchez

Após votação, premiê Pedro Sánchez deixou o Parlamento sem dar declarações a jornalistas

O Parlamento espanhol rejeitou nesta quarta-feira (13/02) a proposta orçamentária apresentada pelo governo socialista do primeiro-ministro Pedro Sánchez para 2019, abrindo caminho para a convocação de eleições gerais antecipadas.

Por 191 votos a favor, 158 contra e uma abstenção, a Câmara aprovou seis objeções apresentadas pela oposição de direita e conservadora e partidos separatistas catalães, rechaçando, assim, o orçamento proposto por Sánchez.

Em vez de se concentrar em questões econômicas, o debate orçamentário girou em torno de assuntos políticos, sobretudo a situação da região autônoma da Catalunha, governada por independentistas que exigem que seja reconhecido seu "direito à autodeterminação".

O governo do premiê tem minoria no Parlamento, apenas 84 de 350 deputados, e depende de partidos menores. Sánchez chegou ao poder em junho passado com o apoio de partidos nacionalistas catalães e esperava receber o aval deles à sua proposta de orçamento.

Na tentativa de aliviar tensões envolvendo a Catalunha, o premiê retomou negociações com os separatistas canceladas pelo governo anterior. Os partidos catalães, no entanto, estão insatisfeitos com a recusa de Sánchez em considerar a realização de um novo referendo sobre a independência da região, entre outras questões, e votaram contra o orçamento.

Os partidos separatistas ERC e PDeCAT argumentaram que o diálogo com o governo em busca de uma solução para o que chamam de um conflito político na Catalunha não está avançando e pediram mais investimentos públicos na região, dada a sua importância para o Produto Interno Bruto (PIB) espanhol.

Conservadores e liberais, que exigem eleições antecipadas, rejeitaram a proposta orçamentária por acreditar que esta favorece os independentistas catalães, aumenta o gasto público sem propor rendimentos credíveis e levará a economia espanhola a uma situação de maior endividamento.

A oposição de direita e extrema direita acusa o premiê de fazer concessões demais aos catalães e reuniu dezenas de milhares contra o governo em Madri no último fim de semana.

Pablo Casado, líder do conservador Partido Popular, classificou o resultado da votação de "um voto de confiança de facto" contra Sánchez.

Após a votação desta quarta, crucial para o futuro de seu governo, Sánchez abandonou a Câmara dos Deputados sem dar declarações sobre possíveis eleições antecipadas.

A vice-primeira-ministra espanhola, Carmen Calvo, reconheceu recentemente que a legislatura atual, que deveria terminar em 2020, poderia ser encurtada caso o orçamento não fosse aprovado pelo Parlamento. Fontes do governo disseram à agência de notícias Reuters na terça-feira que novas eleições poderiam ser realizadas em 14 ou 28 de abril.

Esta é a segunda vez que o chamado Orçamento Geral do Estado é rechaçado na democracia espanhola. Em 1995, o Parlamento se opôs às contas de 1996 do governo do socialista Felipe González, e eleições antecipadas foram convocadas.

LPF/efe/rtr/afp/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais