Parlamento da Catalunha aprova independência | Notícias internacionais e análises | DW | 27.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Europa

Parlamento da Catalunha aprova independência

Partidos separatistas catalães aprovam resolução para criar república independente, com 70 votos a favor entre 135 deputados. Opositores deixam plenário e não votam. Senado espanhol autoriza Madri a intervir.

default

Deputados separatistas cantam o hino da Catalunha após decisão do Parlamento de aprovar a independência da Espanha

O Parlamento regional da Catalunha aprovou nesta sexta-feira (27/10), em Barcelona, a independência da região e a separação da Espanha numa votação secreta sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.

O projeto de declaração unilateral de independência foi aprovado por 70 votos a favor, 10 contrários e dois em branco, num órgão composto por um total de 135 deputados. A resolução insta o governo a tomar as medidas necessárias para criar o marco legal de uma república soberana e independente da Espanha.

Spanien Barcelona - Sitzung im Katalanischen Regionalparlament- Oppositionsabgeordnete verlassen Parlament

Deputados da oposição exibem bandeiras da Espanha pouco antes de deixar o plenário

A resolução foi aprovada numa votação secreta com o apoio dos dois grupos separatistas, Junts pel Sí (JxSí) e CUP. Liberais (Ciudadanos), socialistas (PSC) e conservadores (PP) se negaram a participar da votação e abandonaram o plenário. Antes do início da votação, os deputados dos partidos que defendem a continuação da união com a Espanha, em minoria, abandonaram a assembleia, deixando algumas bandeiras da Espanha nos lugares que antes ocupavam.

Assistir ao vídeo 00:59

Em Barcelona, catalães festejam "independência"

Senado autoriza Madri a intervir

Minutos depois, o Senado autorizou o governo central em Madri a assumir o controle dos poderes autônomos da Catalunha, o que inclui destituir o governo regional, limitar os poderes do Parlamento catalão e convocar eleições nos próximos seis meses. O pedido do governo se ampara no artigo 155 da Constituição.

A autorização foi aprovada com 214 votos a favor – incluindo PP, PSOE e Ciudadanos – e 47 votos contrários, incluindo o Unidos Podemos. O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, garantiu que "o Estado de Direito restaurará a legalidade" na Catalunha. Rajoy pediu também "tranquilidade a todos os espanhóis" em sua conta no Twitter.

Depois de receber o aval do Senado, Rajoy convocou seu gabinete de governo para uma reunião ainda nesta sexta, na qual serão decididos os próximos passos. Pelos planos de Madri, as funções do governo catalão serão assumidas por um órgão ou autoridade que será criada ou designada para isso.

Os funcionários catalães estarão obrigados a seguir as diretrizes dos órgãos ou autoridades criadas ou designadas pelo governo central. Entre eles estão os cerca de 17 mil agentes da polícia regional, os Mossos d'Esquadra.

O governo central exercerá também as funções econômica, financeira, tributária e orçamentária e assumirá o controle do Centro de Telecomunicações e Tecnologias da Informação e do Centro da Segurança da Informação da Catalunha.

As medidas se manterão vigentes até a posse do governo que for eleito após a realização das eleições ao parlamento da Catalunha, num período inferior a seis meses.

Aplausos a Rajoy

Pela manhã, Rajoy solicitara ao Senado que concedesse ao governo central medidas excepcionais que lhe permitam assumir o controle dos poderes autônomos da Catalunha.

O presidente do governo espanhol recebeu aplausos antes e depois do seu discurso no Senado, no qual afirmou que a Espanha está enfrentando o maior desafio de sua história recente. Ele afirmou que o que está ocorrendo na Catalunha é "uma clara violação das leis, da democracia, dos direitos de todos e que tem consequências".

Rajoy alegou que o chefe do governo catalão, Carles Puigdemont, é o único responsável pela ativação dessas medidas, de acordo com a Constituição espanhola. "Ele e apenas ele", ressaltou Rajoy.

AS/efe/lusa/ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados