Parlamento britânico impõe nova derrota ao Brexit | Notícias internacionais e análises | DW | 21.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Parlamento britânico impõe nova derrota ao Brexit

Presidente da Câmara dos Comuns veta nova tentativa de governo para votar apoio ao acordo alcançado com a União Europeia. Apesar de impasse, premiê espera concluir processo em dez dias.

John Bercow

Bercow vetou moção, que considerou repetitiva

O plano do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de conduzir a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) no final deste mês enfrentou um novo revés nesta segunda-feira (21/10). O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, vetou uma tentativa do governo de promover a votação do acordo do divórcio acertado com os europeus.

Ao justificar o veto, Bercow considerou que o acordo já fora debatido pelo Parlamento no sábado. Na ocasião, Johnson apresentou uma moção que pedia o apoio dos deputados ao pacto, mas suspendeu a votação no último momento, após a Câmara dos Comuns aprovar uma emenda que o obrigou a pedir uma extensão do prazo de saída da UE.

"A minha decisão é que a moção [do governo] não seja debatida hoje porque seria repetitivo e desordenado", declarou Bercow.

A emenda aprovada no sábado suspendeu a ratificação final do acordo do Brexit. Com 322 votos contra 306, os parlamentares decidiram então adiar qualquer decisão sobre o acordo alcançado por Johnson até que a legislação correspondente seja aprovada, uma manobra patrocinada pela oposição.

Em consequência, o governo teve de cumprir a lei e pedir a Bruxelas um adiamento do Brexit por três meses, até 31 de janeiro, apesar de o primeiro-ministro ter incluído no pedido uma carta onde manifestava discordar deste prolongamento. 

Mesmo com a derrota desta segunda, o governo britânico planeja começar logo a tramitar a legislação necessária para que o acordo sobre os termos de saída da União Europeia entre em vigor, processo no qual os deputados precisarão votar o pacto.

Um porta-voz do primeiro-ministro antecipou que Johnson espera divulgar nas próximas horas o projeto de lei para transferir à legislação britânica os termos do acordo do Brexit e convocar uma primeira votação na terça-feira.

Esta seria a primeira oportunidade para a Câmara dos Comuns comprovar se Johnson conta com uma maioria suficiente para respaldar o tratado que assinou em Bruxelas na semana passada. O governo tentará tramitar a lei por um procedimento de urgência, já que insiste em retirar o Reino Unido do bloco em 31 de outubro.

Caso vença essa primeira votação, a lei ainda enfrentará um árduo processo no qual a oposição poderá apresentar emendas e tentar fazê-la descarrilar. No mesmo dia, os deputados debaterão o procedimento de urgência pelo qual o governo pretende tramitar a legislação.

O porta-voz do governo na câmara baixa, Jacob Rees-Mogg, ressaltou que o objetivo é concluir o trâmite do acordo na Câmara dos Comuns na quinta-feira, para que depois seja avaliado pela Câmara dos Lordes. A aprovação de uma lei no Reino Unido geralmente leva semanas, mas Londres espera que o processo seja finalizado em dez dias.

Bruxelas ainda não respondeu ao pedido de adiamento do Brexit e Johnson garante que segue determinado a retirar o Reino Unido do bloco até o fim deste mês. O governo alemão já indicou apoio à solicitação britânica.

"Não excluo que possa haver um curto adiamento técnico caso o Reino Unido encontre problemas no processo de ratificação" do acordo negociado, afirmou o ministro alemão do Exterior, Heiko Maas.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse, porém, que um atraso não é de interesse de nenhuma das partes. Paris argumenta que o adiamento só poderia ser justificado se houvesse alguma razão para tal, como um novo referendo sobre a questão ou eleições parlamentares.

Reviravoltas do Brexit

Na quinta-feira, em uma das maiores reviravoltas desde o referendo do Brexit, há três anos, Johnson havia surpreendido o Reino Unido com um novo pacto com a UE, apesar de o bloco ter prometido que não renegociaria o tratado acertado no ano passado.

Nos últimos meses, os parlamentares rejeitaram por três vezes o pacto negociado pela antecessora de Johnson, Theresa May. O chefe de governo precisa convencer 320 parlamentares a apoiarem o acordo do divórcio.

Mesmo em seu melhor resultado, em março, o plano apresentado por May recebeu o apoio de apenas 286 representantes. Sem maioria parlamentar, Johnson conta apenas com os 285 membros de sua legenda, o Partido Conservador, que devem, em teoria, apoiar seu plano.

Após mais de três anos de negociação, ainda não está claro como e quando ocorrerá o divórcio entre o Reino Unido, que está profundamente dividido, e a União Europeia.

Como se os problemas no Parlamento britânico não fossem espinhosos o bastante, o acordo também terá de ser aprovado pelo Parlamento Europeu e, posteriormente, pelos Legislativos dos 27 Estados-membros da UE. O encarregado do Brexit no Parlamento Europeu, Guy Verhofstadt, alertou que os eurodeputados podem precisar de mais tempo do que a data limite de 31 de outubro para aprovar o divórcio.

Apesar de os Estados-membros deverem apoiar amplamente o plano, a Espanha, por exemplo, poderá levantar a questão de como o Brexit afeta o território de Gibraltar, disputado entre o país e o Reino Unido. É possível ainda que um bloqueio surja de fontes inesperadas. Um acordo comercial entre a UE e o Canadá quase fracassou em 2016, após ser questionado e ameaçado pelo governo da Valônia, a região francófona da Bélgica.

CN/rtr/efe/lusa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais