Para 76%, Bolsonaro deve ser afastado se desobedecer à Justiça | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Para 76%, Bolsonaro deve ser afastado se desobedecer à Justiça

Pesquisa Datafolha aponta que maioria apoia impeachment se presidente descumprir ordens judiciais. Além disso, metade dos brasileiros acredita que Bolsonaro pode tentar dar um golpe de Estado.

Jair Bolsonaro em ato com com apoiadores levanta os braços e olha para o céu

"Qualquer decisão do senhor Alexandre de Moraes, esse presidente não mais cumprirá", disse Bolsonaro a apoiadores

Uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada neste sábado (18/09) pelo jornal Folha de S. Paulo apontou que, para 76% dos brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro deve sofrer um processo de impeachment caso desobedeça à Justiça.

Segundo a sondagem, 21% dizem que ele não deve sofrer impeachment, enquanto 3% afirmaram não saber.

Além disso, metade dos brasileiros disse acreditar que Bolsonaro pode tentar dar um golpe de Estado. Para 30% dos entrevistados, há muita chance de a retórica golpista do presidente se tornar realidade, enquanto 20% disseram haver um pouco de chance.

Para 45%, por outro lado, não há nenhuma chance de uma tentativa de golpe. Outros cerca de 6% responderam não saber.

O Datafolha ouviu 3.667 eleitores em 190 cidades entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Ameaças

Bolsonaro fez ameaças durante manifestações a favor do governo e com pautas antidemocráticas realizadas no dia 7 de setembro, dizendo diante de seus apoiadores que não cumprirá quaisquer ordens judiciais do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes.

"Dizer a vocês que, qualquer decisão do senhor Alexandre de Moraes, esse presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou, ele tem tempo ainda de pedir o seu boné e ir cuidar da sua vida. Ele, para nós, não existe mais", afirmou o presidente.

De acordo com a Constituição, nenhum cidadão tem o direito de descumprir ordens judiciais e, no caso do presidente da República, juristas avaliam que isso constitui crime de responsabilidade, passível de processo de impeachment.

Dois dias após a declaração, Bolsonaro divulgou um texto intitulado "Declaração à Nação", afirmando que nunca teve a "intenção de agredir quaisquer dos poderes".

Reprovação em alta

Nesta quinta, o Instituto Datafolha divulgou uma pesquisa apontando alta na reprovação ao governo de Bolsonaro, que passou a 53%, o pior nível desde o início do mandato.

No levantamento anterior, feito em julho, Bolsonaro era rejeitado por 51% dos entrevistados, que avaliaram o governo dele como ruim ou péssimo.

md (ots)

Leia mais