Papa simplifica anulação de casamentos | Notícias internacionais e análises | DW | 08.09.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Papa simplifica anulação de casamentos

Em decisão considerada revolucionária, pontífice torna gratuito e mais rápido o processo de anulação da união matrimonial na Igreja Católica. Cabe agora aos bispos locais decidirem sobre nulidade do casamento.

O papa Francisco revolucionou nesta terça-feira (08/09) o processo de anulação de casamentos na Igreja Católica, tornando-o mais simples, rápido e gratuito. Setores conservadores da igreja temem que a medida possa abrir as portas para a aprovação do divórcio.

Críticos, inclusive o próprio papa, consideravam o sistema de anulação de casamentos atual excessivamente burocrático, caro e inacessível para vários católicos, especialmente nos países pobres onde as dioceses não têm tribunais eclesiásticos.

Numa carta motu próprio (por iniciativa própria), o pontífice aboliu a necessidade de serem apresentadas duas sentenças de duas instâncias eclesiásticas para que seja decretada a nulidade de um casamento. Francisco emitiu a nova regra seguindo a orientação de uma comissão de especialistas em direito canônico, que analisou o tema durante um ano.

"Com essa lei fundamental, Francisco lançou agora o verdadeiro início da sua reforma", disse o monsenhor Pio Vito Pinto, decano do Tribunal da Rota Romana, a corte para casamentos da Igreja Católica. "Com grande serenidade, o papa colocou os pobres no centro" da questão, destacou.

A anulação do casamento pode ser concedida na Igreja Católica por vários motivos, entre eles a não consumação, o fato de um dos cônjuges não desejar ter filhos, infidelidade reiterada, esterilidade comprovada, doenças contagiosas, acordos matrimoniais para burlar a legislação de migração e falta comprovada de fé.

A reforma anunciada pelo papa envolve um processo mais eficiente de anulação, que fica sob responsabilidade do bispo local e pode ser aplicado quando ambos os cônjuges solicitam a anulação ou não se opõem a ela.

O cardeal Francesco Coccopalmerio, principal conselheiro do papa sobre o assunto, disse que os bispos devem ter como objetivo concluir os casos simples em até 45 dias. Até agora, o processo de anulação chegava a durar anos.

O papa reiterou que o casamento continua sendo uma união indissolúvel e que as novas regras não servem para acabar com ela. O objetivo da reforma é apenas acelerar e simplificar o processo para que os fiéis possam encontrar justiça, disse.

Os católicos continuam sendo obrigados a ter o casamento anulado se quiserem voltar a casar sob o reconhecimento da instituição católica. Sem isso, os que casarem novamente no civil são considerados adúlteros, que vivem em pecado e são proibidos de receber a comunhão.

MP/afp/rtr/ap/lusa

Leia mais