Papa chega aos EUA para visita histórica | Notícias internacionais e análises | DW | 22.09.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Papa chega aos EUA para visita histórica

Pontífice foi recebido por Obama e saudado pelo público após desembarcar em base naval perto de Washington. Nesta quarta, Francisco se reúne com o presidente na Casa Branca e faz discurso em inglês a milhares de fiéis.

Depois de deixar Cuba, o papa Francisco desembarcou nesta terça-feira (22/09) na base naval Andrews, no estado americano de Maryland, onde foi recebido pelo presidente Barack Obama, a primeira-dama Michelle e as duas filhas do casal, em meio a um forte esquema de segurança.

Centenas de pessoas comemoraram a chegada do pontífice, que foi cumprimentado por militares, crianças e bispos. O papa seguiu de carro para a missão diplomática do Vaticano em Washington.

Na visita histórica de seis dias aos Estados Unidos, o pontífice argentino fará a primeira canonização em solo americano, um discurso inédito de um papa no Congresso dos EUA e irá defender a agenda do clima na sede da ONU, em Nova York. Francisco também deve falar sobre imigração, injustiças sociais e desigualdade econômica e visitar detentos na Filadélfia.

O primeiro compromisso em Washington será um encontro com Obama na Casa Branca, nesta quarta-feira (23/09). Depois, o papa deve fazer um discurso em inglês a cerca de 20 mil pessoas nos jardins da residência presidencial.

O ponto alto da visita é um pronunciamento no Congresso americano, na quinta-feira. No avião, a caminho de Washington, Francisco disse a jornalistas que não irá comentar o bloqueio econômico a Cuba diante dos parlamentes. No mesmo dia, Francisco faz um discurso na sede das Nações Unidas, em Nova York. Ele é o quarto papa a visitar o país.

Cuba

Antes de embarcar aos EUA, Francisco encerrou a visita de três dias a Cuba num momento de aproximação entre Washington e Havana. Ele foi responsável por mediar a abertura das relações diplomáticas entre EUA e Cuba,

Em sua última missa na ilha, no Santuário da Virgem da Caridade, na cidade de Santiago, o papa pediu reconciliação entre os fiéis e disse que a fé dos cubanos permanece viva apesar das dificuldades. Segundo Fancisco, a ilha precisa agora de uma "revolução de ternura". O papa também passou pela capital Havana e a cidade de Holguin.

O pontífice disse que não foi informado sobre detenções de dissidentes durante sua visita a Cuba. A Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional denunciou que cerca de 150 pessoas foram presas durante a visita, em meio a um clima de repressão.

KG/ap/rtr/efe

Leia mais