Papa Bento 16 consagra altar da Sagrada Família em Barcelona | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.11.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papa Bento 16 consagra altar da Sagrada Família em Barcelona

Com cerca de 50% das obras concluídas, igreja idealizada pelo catalão Antoni Gaudí, no final do século 19, ainda levará 20 anos para ser concluída. Papa Bento 16 a elevou à categoria de basílica.

default

Bento 16 visita Barcelona

Neste domingo (07/11), o papa Bento 16 consagrou o altar da igreja Sagrada Família, em Barcelona, elevando-a à categoria de basílica. A igreja foi idealizada por Antoni Gaudí e ainda está inacabada, 128 anos após o início de sua construção.

A metade das obras da nave está concluída. Das quatro fachadas externas, apenas duas estão realmente prontas: a do Natal e a da Páscoa. A entrada principal, o telhado e a imponente torre central encontram-se em obras.

Quando estiver concluído – o que deve acontecer em 20 anos, estimam os especialistas – o "Templo Expiatório de la Sagrada Famíilia" será uma das maiores igrejas do mundo. Sua torre de 170 metros será, sem dúvida, a mais alta, desbancando por 7,5 metros a catedral gótica de Ulm, que ostenta o título atualmente.

Flash-Galerie Sagrada Familia Barcelona Spanien

A igreja de Gaudí em pintura de 1930

Obras históricas

A metrópole espanhola costeira tem estado entretida com o enorme edifício religioso desde 1882, em maior ou menor grau de intensidade. O genial arquiteto catalão Antoni Gaudí (1852-1926), criador da igreja, tinha 30 anos quando começou a se ocupar dela, e cuidou da obra até sua morte, atropelado por um bonde.

O artista, que criou um estilo autônomo de art nouveau catalão, viu prontas apenas as torres em forma de foguete próximas a fachada de Natal. Todas as outras foram construídas após sua morte.

Seus sucessores precisaram interpretar e improvisar bastante para dar continuidade às obras, já que o excêntrico mestre não usava plantas de construção, mas sim maquetes de gesso, que eram constantemente alteradas. Muitos desses moldes se perderam quando, no turbilhão da guerra civil espanhola na década de 1930, a cabine de obras da Sagrada Família ardeu em chamas.

Arquitetura a serviço da humanidade

A continuação das obras só tomou fôlego nos últimos 20 anos, sob o comando do arquiteto Jordi Bonet. Ele tenta dar sequência à construção seguindo a essência de Gaudí. Mas as figuras e superfícies de hoje parecem substancialmente mais modernas do que as Fachada de Natal, desenhadas pelo criador, com seus ornamentos exuberantes e excessivos.

Bonet ocupa-se em construir a igreja com rapidez, mas também em deixar respirar o espírito de seu inventor. "Acredito que sejam duas coisas de igual importância. A arquitetura serve à humanidade. Ela não é apenas um edifício onde as pessoas se reúnem, mas também algo espiritual. Este edifício pode comunicar essa calma e ao mesmo tempo estimular, abrir uma outra dimensão."

Já durante a vida de Gaudí havia uma discussão sobre se as fachadas se pareciam com biscoitos ou com o "castelo de areia de Deus". Arte ou kitsch? A Unesco respondeu a esta pergunta em 2005, ao declarar o templo patrimônio mundial.

Flash-Galerie Sagrada Familia Barcelona Spanien

Fachada de Natal: detalhes fascinam

Milhões visitam as obras anualmente

A cada ano, mais de 2,5 milhões de visitantes prestigiam o monumento inacabado na capital da Catalunha. O canteiro de obras da cidade é a atração mais frequentada da Espanha. Uma das visitantes, Christine Nather, é de Ludwigsburg. Ela inclina a cabeça para trás, para admirar as torres que se erguem na fachada da Páscoa.

"É louco, mas de alguma forma fantástico, pois não corresponde à imagem que normalmente se faz de uma igreja. Ela tem algo moderno, algo abstrato, assim como Gaudí era. Não sou cristã, mas acho que também no cristianismo se pode permitir um caráter de moderno."

Detentora do edifício é uma fundação criada pela Igreja Católica. O financiamento para o projeto secular é realizado exclusivamente através de doações e dos 10 euros de ingresso, pagos pelos turistas que desejam percorrer o fantástico interior da igreja.

O valor compensa, acreditam os visitantes. Pois, só estando lá dentro eles vivenciam a evolução do estilo gótico ideada por Gaudí, onde ramos e folhas saltam das colunas ligeiramente inclinadas, para sustentar cúpulas e telhados.

Jordi Bonet, arquiteto responsável pela construção, sabe que, assim como Gaudí, ele nunca verá o templo. Ele tentou construir com a inspiração de Gaudí. "Talvez digam que o que eu fiz é péssimo. Não sei. Mas dei o melhor de mim, trabalhando dia e noite, sem parar. Estou satisfeito: o que mais pode se desejar?"

Autor: Bernd Riegert (mda)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais