Pandemia piora imagem da China em países ricos | Notícias internacionais e análises | DW | 07.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Pandemia piora imagem da China em países ricos

Pesquisa revela que percepção geral sobre gigante asiático sofreu forte deterioração nos países industrializados da região da Ásia-Pacífico, Europa e América, em especial no ano de 2020.

Pôster com imagem do presidente chinês Xi Jinping é rasgado durante protesto contra a China em Ahmedabad, Índia, em 24 de junho de 2020.

Pôster com imagem do presidente chinês Xi Jinping é rasgado durante protesto contra a China na Índia

A imagem da China em vários países desenvolvidos tem sofrido um desgaste significativo nos últimos anos, afirmou um estudo divulgado pelo centro de pesquisas Pew Research Center nesta terça-feira (06/10). Embora o fenômeno seja observado desde 2005 – ainda que de forma inconstante e com alguns desvios –, essa perda de reputação se mostrou particularmente drástica em 2020, sobretudo na comparação com 2019.

Os resultados se baseiam em pesquisas feitas em 14 países no período entre 10 de junho e 3 de agosto deste ano e avaliadas pelo instituto americano no âmbito de uma pesquisa global. Foram analisadas três regiões do globo: Europa (Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Itália, Suécia, Holanda, Bélgica e Dinamarca), Ásia-Pacífico (Austrália, Japão e Coreia do Sul) e América (EUA e Canadá).

Pico de avaliação negativa em 2020

Em nove dos 14 países analisados, as opiniões negativas sobre a China atingiram seu ponto mais alto desde que o instituto passou a recolher dados sobre o assunto, há 15 anos. Somente Japão, Itália e França já haviam apresentado avaliações piores anteriormente. No Japão, por exemplo, isso se deu em 2013, provavelmente devido à tensão provocada pela disputa territorial na época.

Na maioria dos países estudados, o aumento da animosidade em relação à China foi sentido sobretudo na comparação anual de 2019 para 2020. 

Assistir ao vídeo 02:30

Asiáticos relatam discriminação na Alemanha em meio à pandemia

A maior variação se deu na Austrália, onde 81% dos entrevistados disseram ver a China de maneira desfavorável – um aumento de 24 pontos percentuais desde 2019. Em segundo lugar ficou o Reino Unido (19 pontos de variação), com cerca de 75% dos entrevistados vendo a China de maneira negativa, seguido de Suécia, Países Baixos, Alemanha (cada um com 15 pontos percentuais a mais do que no ano anterior). 

Já nos Estados Unidos, as opiniões negativas em torno da China cresceram quase 20 pontos percentuais nos últimos quatro anos – 13 só de um ano para cá.

O desgaste da opinião pública também foi considerável na Coreia do Sul, onde 75% dos entrevistados se manifestaram de maneira negativa em relação à China, em comparação com 63% em 2019. Na Bélgica e na Dinamarca não é possível analisar uma tendência, pois ambas foram incluídas na pesquisa em 2020.

Gestão da crise do coronavírus

Além da percepção geral em relação à China, foram feitas perguntas específicas sobre a política chinesa. Uma questão, é claro, não poderia faltar: como a China lidou com a crise de covid-19? Entre as opções, os entrevistados podiam assinalar "muito bem", "relativamente bem", "relativamente mal" ou "muito mal".

Em média, 61% dos entrevistados deram à China avaliações ruins na gestão da pandemia. Pior que a China só mesmo os EUA, cuja estratégia de contenção do coronavírus foi vista como ruim por 84% dos entrevistados.

As piores avaliações para a China no tocante à pandemia vieram da região Ásia-Pacífico: mais de sete em cada dez entrevistados no Japão, Coreia do Sul e Austrália deram avaliações ruins para os chineses, incluindo quatro em cada dez que disseram que a gestão foi "muito ruim".

Assistir ao vídeo 02:31

Cidade onde a covid-19 surgiu volta à normalidade

Efeitos da covid-19 sobre imagem

O surto da pandemia teve um impacto nas atitudes negativas em relação à China, afirma a principal autora do estudo, Laura Silver. "Entre aqueles que atestam o fraco desempenho da China no tratamento da crise do coronavírus, é comum encontrar também uma atitude negativa em relação à China. Podemos claramente afirmar, portanto, que opiniões sobre a covid-19 estão relacionadas a atitudes negativas em relação à China."

Tal constatação é particularmente evidente no caso da Itália: entre os que dizem que a China fez um trabalho ruim na pandemia, 82% também têm uma opinião geral ruim sobre o país. Por outro lado, entre aqueles que acham que a China fez um bom trabalho, apenas 41% têm uma opinião geral ruim sobre o país.

A Itália também é o país com a menor percentagem (62%) de opiniões negativas em relação ao país asiático. Da mesma forma, os italianos foram os únicos que deram à China mais notas boas do que ruins por sua gestão da pandemia, ainda que por uma pequena maioria de 51%. Já na Espanha, as avaliações positivas e negativas sobre o manejo da crise pelos chineses ficaram praticamente empatadas, enquanto que, na França, 44% dos entrevistados atribuíram à China um trabalho "bom" ou "muito bom" durante a pandemia.

Voto de confiança

Os pesquisadores também estavam interessados em saber até que ponto as pessoas confiam no Estado chinês e no presidente Xi Jinping para "fazer a coisa certa em vista dos acontecimentos mundiais". Uma média de 78% manifestou opiniões negativas, com mais de metade dos entrevistados nos EUA, Dinamarca, Suécia, França, Japão e Austrália dizendo não ter "confiança nenhuma".

No entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, está em situação ainda pior, com 83% dos entrevistados demostrando pouca ou nenhuma confiança nele. Com o presidente russo, Vladimir Putin, a percentagem é de 73%. Já com Angela Merkel, a situação muda de figura: apenas 19% dos entrevistados têm pouca ou nenhuma confiança na chanceler federal alemã. 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados