Pandemia impulsiona comércio eletrônico | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 03.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Pandemia impulsiona comércio eletrônico

Estudo da ONU registra aumento exponencial das compras online no ano passado, com a imposição de lockdowns em muitos países para conter a covid-19. Setor faturou o equivalente a 30% do PIB mundial em 2019.

Estudo da ONU revela boom das vendas online em todo o mundo. Pessoa é vista do alto digitando em um computador laptop usando fones de ouvido, com telefone celular ao lado.

Estudo da ONU revela "boom" das vendas online em todo o mundo

O comércio online viveu ume explosão em meio à pandemia de covid-19. No ano passado, o percentual das vendas online no comércio global aumentou de 16% para 19%. segundo um relatório da Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) divulgado nesta segunda-feira (03/05).

Em 2019, as vendas pela internet chegaram a 26,7 trilhões de dólares, um aumento de 4% em relação a 2018, segundo os dados mais recentes disponíveis. Isso inclui as transações de empresa para empresa e as das empresas para os consumidores, e equivale a 30% do Produto Interno Bruto (PIB) global daquele ano.

Entre as 13 maiores empresas do ramo em todo o mundo, dez são da China ou dos Estados Unidos. A chinesa Aibaba está em primeiro lugar no ranking, seguida da americana Amazon. A canadense Shopify é a de posição mais alta entre as que não são provenientes da China ou dos EUA.

Com o aumento das vendas online nas principais economias do globo, e com os lockdowns intermitentes adotados por vários países que obrigaram milhões de pessoas a permanecerem em suas casas, a UNCTAD relatou uma "notável reversão da fortunas das plataformas como serviços de caronas ou de viagem”, cujas perdas beneficiaram as empresas do chamado e-commerce.

A parcela do comércio varejista online chegou a 25,9% na Coreia do Sul e 24,9% na China e aumentou para quase um quarto do total em ambos os países. No Reino Unido, essa fatia cresceu de 15,8% em 2019 para 23,3% em 2020.

Nos Estados Unidos, onde as empresas de comércio eletrônico registraram no ano passado vendas de mais de um terço do total mundial, as compras online subiram de 11% para 14%

O "boom” das vendas online veio em meio ao que a UNCTAD havia descrito anteriormente como a queda anual mais acentuada da produção econômica global, desde o início dos registros nos anos 1940.

No Brasil, comércio online cresceu 83%

O estudo, porém, avalia que ainda deverá levar algum tempo até podermos ter o quadro completo do impacto da covid-19 no comércio eletrônico. Entretanto, a tendência para o setor é, seguramente, de alta.

No Brasil, o comércio online também teve uma forte alta. De acordo com a consultoria Ebit|Nielsen, em 2020, 13 milhões de pessoas aderiram às compras online. O setor teve crescimento de 83,68% no ano passado, segundo avaliação divulgada em dezembro pela Câmara Brasileira da Economia Digital em parceria com a Neotrust.

rc (DPA, Reuters, AFP, OTS)