Pandemia faz gestações e casamentos diminuírem no Japão | Notícias internacionais e análises | DW | 27.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Pandemia faz gestações e casamentos diminuírem no Japão

Queda de nascimentos e casamentos gera graves riscos à economia do país, que já enfrentava crise gerada pelo envelhecimento populacional. Proporção de idosos na população deve passar de 35% até 2050

Coronavirus Japan Tokio Ueno Park Besucher bestaunen Kirschblüten

Índices de natalidade no Japão, que já eram baixos, atingem níveis alarmantes em razão da pandemia

A redução do número de gestações e casamentos no Japão durante a pandemia de covid-19 deve intensificar a crise demográfica no país, que já enfrentava problemas decorrentes do rápido envelhecimento de sua população.

O possui a sociedade mais idosa em todo o mundo. Mais de 35% de sua população deverá chegar aos 65 anos de idade até 2050, uma tendência que traz riscos ao crescimento econômico e sobrecarrega as despesas do governo.

"Acredito que a disseminação do coronavírus deixa muitas pessoas preocupadas com a gravidez, nascimentos e com criar as crianças", afirmou na última sexta-feira (23/10) o ministro encarregado de reagir ao declínio dos índices de nascimento, Tetsushi Sakamoto.

Dados oficiais recentes demonstram que o número de gestações registradas entre maio em julho caiu 11,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto o de casamentos diminuiu 36,9%, O declínio acentuado nos matrimônios é um dado importante, já que a maioria dos bebês japoneses nasce de pais casados.  

"Isso é algo muito sério, porque os efeitos negativos poderão permanecer, com a piora na economia resultando em menos casamentos e, consequentemente, em menos nascimentos", afirmou Hideo Kumano, economista-chefe do Instituto Dai-ichi de Pesquisa sobre a Vida.

A pandemia agravou a preexistente tendência negativa das taxas de natalidade, o que o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe chamava de uma "crise nacional". Em 2019, o número de nascimentos já havia sido reduzido em 5,8%, para cerca de 865 mil, o registro anual mais baixo até então.

A Associação Pediátrica do Japão alertou que a natalidade baixa poderá se estender por mais dez anos e razão da pandemia, o que deve abalar não apenas a medicina pediátrica, mas poderá ter efeitos bastante amplos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) previu um crescimento econômico global de 5,2% em 2021, enquanto o do Japão deverá ser de 2,3%. Segundo Kumano, o despovoamento foi o efeito mais significativo na diferença entre ambos os percentuais. 

Um estudo publicado pelo jornal Nikkei, que entrevistou 22 economistas, revela que a maioria dos analistas avaliam que a economia japonesa não deverá voltar aos níveis pré-pandemia antes de 2024, o que sugere um longo período de redução nos casamentos. 

Os governantes lutam como podem contra a crise, inclusive com a oferta de cobertura dos tratamentos de fertilidade através de seguros de saúde e dobrando o teto máximo da ajuda financeira aos recém-casados, o que pode chegar a até 600 mil ienes (32,6 mil reais).

"Há várias previsões sobre o que deve acontecer de o número de nascimentos continuar a cair, mas uma coisa é certa: os sistemas atuais, incluindo o de bem-estar social, não estarão mais aptos a funcionar", alertou o ex-ministro responsável pelo declínio da taxa de natalidade Masaji Matsuyama. "Será uma crise na qual a própria existência do país como conhecemos estará em risco."

RC/rtr

Leia mais