Pacotes explosivos são enviados a Obama, Hillary e CNN | Notícias internacionais e análises | DW | 24.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Pacotes explosivos são enviados a Obama, Hillary e CNN

Dispositivos são similares ao encontrado na caixa de correio de George Soros, dois dias atrás. Investigadores acreditam que casos, que visam líderes do Partido Democrata e um grande doador, estão relacionados.

Barack Obama e Hillary Clinton

Hillary Clinton e Barack Obama durante a campanha eleitoral de 2016

O Serviço Secreto dos Estados Unidos afirmou nesta quarta-feira (24/10) que interceptou um artefato explosivo destinado à ex-candidata presidencial Hillary Clinton, em Westchester (Nova York), na noite desta terça-feira, e um pacote explosivo enviado a Barack Obama, em Washington, na manhã desta quarta-feira.

Também em Nova York, a redação da emissora de TV CNN, no edifício Time Warner Center, foi evacuado depois de um pacote suspeito ter sido encontrado nesta quarta-feira entre as correspondências destinadas à emissora, afirmou a polícia da cidade.

De acordo com investigadores, os dispositivos são similares aos que a polícia encontrou na segunda-feira na caixa de correio da residência do magnata George Soros, em Bedford, nos arredores de Nova York, e detonou de forma controlada.

USA Polizei vor dem Haus von Barak Obama

Carro da polícia diante da residência dos Obama, em Washington

O Departamento de Segurança Nacional, ao qual está vinculado o Serviço Secreto, afirmou que os pacotes destinados às residências dos Obama e dos Clinton foram identificados imediatamente como artefatos explosivos durante processos rotineiros de revisão do correio.

Por sua condição de ex-presidentes, toda a correspondência destinada às residências de Obama e Clinton é inspecionada por agentes do Serviço Secreto. As autoridades acrescentaram que nem os Obama nem os Clinton receberam os pacotes ou estiveram expostos a qualquer risco.

A notícia de que um outro pacote suspeito teria sido enviado à Casa Branca foi mais tarde desmentida por autoridades americanas.

Os pacotes suspeitos, destinados ao mais recente ex-presidente democrata, à candidata na eleição passada e a um grande doador do partido, foram enviados cerca de duas semanas antes das eleições de 6 de novembro, que vão determinar se os republicanos mantêm o controle no Congresso.

Obama, Hillary, Soros e a CNN são alvos frequentes de críticas de setores conservadores, incluindo o presidente Donald Trump, que costuma atacar em especial a cobertura jornalística da emissora.

A Casa Branca condenou as tentativas de atentado, que chamou de desprezíveis e aterrorizantes, e o FBI afirmou que está investigando o caso. Os investigadores avaliam que os casos estão relacionados.

"Violência política não têm lugar nos EUA"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou as tentativas de ataque e pediu união nacional para repudiar os "atos ou ameaças de violência política".

"Estamos extremamente irritados, infelizes pelo que aconteceu esta manhã, e chegaremos ao fundo disto. Temos que nos unir e enviar uma mensagem clara, contundente, inconfundível que os atos ou ameaças de violência política de qualquer tipo não têm lugar nos EUA", disse o governante em discurso na Casa Branca.

Trump não mencionou explicitamente o Obama, Hillary, e nem nenhum dos outros alvos dos pacotes suspeitos, apenas falou em geral das tentativas de ataque a "ex-altos cargos do governo" e pessoas em posições de poder.

"Os pacotes estão sendo inspecionados e foi aberta uma investigação federal. Todo o peso do nosso governo está sendo empregado para concluir esta investigação e levar à Justiça os responsáveis por estes atos desprezíveis. Não pouparemos recursos nem despesas", ressaltou.

O governante recebeu informações sobre os ataques durante uma reunião com o procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, a secretária de segurança nacional, Kirstjen Nielsen, o diretor do FBI, Christopher Wray, e o diretor do serviço secreto, Randolph Alles.

AS/ap/efe/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais