Países do Mercosul são foco de interesse na Feira de Hannover | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Países do Mercosul são foco de interesse na Feira de Hannover

Região não foi golpeada tão fortemente pela crise econômica quanto os países industrializados. Especialmente o Brasil é visto como um exemplo de estabilidade na maior feira industrial do mundo.

default

Num fórum dedicado aos países do Mercosul na Feira Industrial de Hannover, o governador da Baixa Saxônia, Christian Wulff, elogiou o desempenho do bloco fundado em 1991 por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, região que conta com 250 milhões de habitantes e não foi golpeada tão fortemente pela crise econômica quanto os países industrializados.

Segundo Wulff, levando em conta as dimensões da crise, as relações entre a União Europeia (UE) e o bloco se desenvolvem de maneira positiva. A Baixa Saxônia é o estado onde acontece a feira.

Depois dos Estados Unidos, a União Europeia é o principal parceiro econômico do Mercosul. Cerca de 20% das importações do bloco vêm de países-membros da UE.

Global Business Forum auf der Hannover Messe

Ludwig Georg Braun, presidente da DIHK

Mas o interesse não é apenas comercial. O presidente da Iniciativa para a América Latina do setor econômico alemão, Ludwig Georg Braun, também presidente da Confederação Alemã das Câmaras de Indústria e Comércio (DIHK), exigiu uma intensificação do intercâmbio acadêmico e cultural, destacando o enorme interesse pela língua espanhola e pela cultura sul-americana nas escolas alemãs.

Grande potencial de crescimento e consumo

Muitos empresários presentes em Hannover veem na crise financeira uma oportunidade, e uma região como o Mercosul, que resistiu ao vendaval financeiro e se manteve estável, se torna fortemente atraente.

A V-Line Europe é uma empresa com sede em Hannover e que oferece serviços de manutenção, reparo e reposição de materiais e componentes para os setores automotivo, petroquímico e de engenharia mecânica. A companhia está há oito anos presente no Brasil, país que responde por 25% de seu volume de negócios, que foi de aproximadamente 80 milhões de euros no ano passado.

"Estou convencido de que tanto a China quanto o Brasil serão os que mais rapidamente sairão da crise financeira", afirma o diretor da empresa, Detlev Daues. "No Brasil, há um grande potencial, ainda que haja uma retração de curto prazo. O potencial de crescimento é enorme, também no consumo." A V-Line é uma das cerca de 800 empresas alemãs atuantes no mercado brasileiro, e seu compromisso é de longo prazo.

Concorrência chinesa

O presidente do escritório regional de Porto Alegre da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK), André Meyer da Silva, alerta que a China conquistou mercados e ultrapassou países como a Alemanha. "A relação entre a Alemanha e o Brasil já foi mais forte, naturalmente a China ultrapassou países europeus, mas também o Mercosul ganhou importância", afirma.

Global Business Forum auf der Hannover Messe

Christian Wulff, governador da Baixa Saxônia, com a embaixadora do Paraguai, Liliane Lebron Wenger

Segundo ele, as relações entre os integrantes do Mercosul se fortaleceram. "No Rio Grande do Sul, a vizinha Argentina era o parceiro comercial mais importante até o ano passado, mas com a crise isso mudou drasticamente", explica.

A Issendorff Mikroelektronik, pequena empresa dedicada a desenvolver sistemas inteligentes de controle de iluminação, ventilação, temperatura e segurança em edifícios, também tenta se estabelecer na América Latina.

"Fizemos uma tentativa na China, mas nos retiramos por questões de segurança. Estavam espionando nossa tecnologia e o perigo de que nos copiassem era muito grande", conta o proprietário, Eberhard Issendorff.

Segundo ele, as experiências na Argentina mostraram que há "uma atitude muito positiva em relação aos alemães". "Somos bem-vindos, o que apreciamos muito. Além disso, é divertido se comunicar com as pessoas, e isso para nós é qualidade de vida."

Autora: Eva Usi

Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais