Os instrumentos musicais mais malucos que você já viu | Programa semanal sobre cultura e arte contemporânea | DW | 06.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Camarote.21

Os instrumentos musicais mais malucos que você já viu

De um concerto com instrumentos de gelo a uma orquestra de legumes: a criatividade sonora não tem limites.

Assistir ao vídeo 03:02

Para fazer um bom som, alguns músicos são bem criativos. 


No festival de Geilo, na Noruega, os artistas têm que se manter “cool”. Porque aqui, os instrumentos são de gelo, retirado dos lagos da região. E ao tocar os instrumentos de sopro, é preciso ter cuidado para não congelar os lábios.

Para o escocês James Provan, as tarefas domésticas ganham um novo sentido. Pois ele transforma a casa inteira em instrumentos musicais. Um festa sonora que nem sempre é bem vista pelos pais.

Disquetes se tornaram obsoletos há muito tempo. Mas o velho hardware se reinventou: saiu da área da computação para dar vazão a seu lado artístico. O responsável por isso é o polonês Pawel Zadrożniak. Ele combinou dois ícones dos anos 90: o disquete e a banda Nirvana. No projeto dele, 64 hardwares tocam “Smells like Teen Spirit“ — no que poderia ser chamado de "música eletrônica de raiz".

O sueco Martin Molin cosntruiu uma máquina capaz de fazer música... com 2000 bolitas. O “professor pardal da música” trabalhou 14 meses no projeto. Por esse trabalho incrível, ele garantiu o segundo lugar em nosso pódio. 

Com comida não se brinca? Bem, neste caso, sim! No primeiro lugar do nosso ranking de “instrumentos musicais inesperados” estão os legumes. Antes de realizar um concerto... a Orquestra de Vegetais de Viena precisa primeiro ir à feira. Para cada performance são necessários cerca de 40 quilos de alimento. Os instrumentos são fresquinhos, saudáveis e cheios de groove. A orquestra toca apenas composições próprias. E sem desperdícios: no final do espetáculo, os instrumentos vão para a panela. Assim, após alimentar o espírito, o público pode também encher a barriga.