Os desertores militares da Venezuela | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 24.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Os desertores militares da Venezuela

Muitos soldados venezuelanos não aguentaram mais reprimir parentes e amigos com violência e fugiram para o exterior. Sem trabalho, são forçados a mendigar. Mas voltar é impensável: na terra natal, a prisão os aguarda.

Ex-soldados dependem da solidariedade da população colombiana

Ex-soldados dependem da solidariedade da população colombiana

Jackssel Mujica tem bons motivos de dar as costas para seu país natal. "Se eu voltar para a Venezuela, vou para a prisão por dez anos." Como integrante da Guarda Nacional Bolivariana, ele participou da repressão aos protestos no país, muitas vezes com violência e gás lacrimogêneo. Mas diz que não aguentava mais as ordens: entre os manifestantes estavam parentes e amigos seus, "e eles todos protestavam porque estavam passando fome".

Agora, da Colômbia, o desertor de 28 anos procura ajudar sua família e amigos, enviando-lhes 10 mil pesos quase diariamente. Embora no novo país o equivalente a três dólares mal dê para pagar uma refeição, na Venezuela a quantia cobre as necessidades diárias de toda uma família.

Há seis meses ele vive na cidade de Ipiales, no sudoeste colombiano, a apenas cinco quilômetros da fronteira com o Equador. No entanto não conseguiu encontrar trabalho e tem que mendigar à beira da estrada, portando um cartaz e explicando aos transeuntes e motoristas sua difícil situação.

Desse jeito o ex-soldado se vira, juntamente com o primo Yiron e outros compatriotas. Cada um deles tem que conseguir entre cinco e seis dólares, dia após dia, a fim de pagar por alojamento e comida.

Refugiados venezuelanos se viram como podem em Ipiales

Refugiados venezuelanos se viram como podem em Ipiales

Nos últimos meses, até 4 mil venezuelanos cruzaram a fronteira da Colômbia e para o Equador, em grande parte para não morrer de fome. Muitos tentam ajudar suas famílias a partir do exterior, enviando-lhes dinheiro.

A maioria pretendia seguir em direção ao sul, para o Peru ou o Chile, mas desde que o Equador restringiu a passagem, muitos ficam retidos na Colômbia, pois sem passaporte não podem entrar legalmente no país vizinho. Apesar de a Colômbia tê-los recebido, eles não se sentem bem-vindos.

"Muitos tratam a gente que nem lixo", comenta o ex-advogado Álvaro Terán. Ele vende café numa garrafa térmica e arepas, os pães de milho típicos venezuelanos. Ao contar sobre a vida passada, não consegue conter as lágrimas: "Nós tínhamos tudo, uma casa na praia, carros novos, até um barco para pescar." Nada disso sobrou.

Seu irmão também desertou das Forças Armadas venezuelanas, foi para o Brasil e depois seguiu para a Colômbia. E assim foi parar em Ipiales com a esposa e uma filha. A segunda filha ainda se encontra na Venezuela e acaba de ter um bebê.

Os olhos de Álvaro se umedecem novamente. "Daqui a um mês eu volto, para conhecer o meu neto. Nem que seja a última coisa que eu faça na vida", promete. E trata de vender logo o café que ainda resta, antes que fique frio.

---------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais