Opositora em Belarus diz ter recebido ameaça de morte | Notícias internacionais e análises | DW | 10.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Opositora em Belarus diz ter recebido ameaça de morte

Presa em Minsk, Maria Kolesnikova relata ter sido sequestrada e levada à cadeia após resistir à deportação forçada na fronteira com a Ucrânia. "Afirmaram que se me recusasse, me tirariam do país viva ou em pedaços."

Maria Kolesnikova

Maria Kolesnikova é membro do Conselho de Coordenação, criado pela oposição bielorrussa

Maria Kolesnikova, uma proeminente ativista da oposição de Belarus, acusou nesta quinta-feira (10/09) agentes do regime de Alexander Lukashenko de sequestro e ameaça de morte.

Ela afirmou, em queixa formal divulgada por sua advogada, que na madrugada de terça-feira homens dos serviços estatais de segurança bielorrussos colocaram um saco em sua cabeça e a levaram para a fronteira com a Ucrânia. Ela acabou resistindo a uma deportação forçada e acabou sendo presa.

"Eles ameaçaram me matar", disse Kolesnikova, de 38 anos. "Eles afirmaram que se eu me recusasse a deixar o território de Belarus voluntariamente, eles me tirariam do país de qualquer maneira – viva ou em pedaços", acusou a oposicionista, através de nota escrita na prisão e divulgada pela advogada. "Eles também ameaçaram me prender por até 25 anos."

Kolesnikova afirmou estar encaminhando denúncia formal, exigindo que as autoridades do país investiguem agentes da KGB e do serviço de segurança bielorrusso por sequestro, detenção ilegal e ameaça de morte. Segundo sua advogada, Lyudmilla Kazak, a ativista cita os nomes dos agentes responsáveis por ameaçá-la e colocar um saco em sua cabeça e ressalta que pode reconhecê-los numa acareação. Mesmo após a queda da União Soviética, o serviço de inteligência russo manteve a sigla KGB.

Ativistas da oposição no país enfrentam pressão nesta semana, em meio a uma série de detenções e sequestros de lideranças oposicionistas, enquanto completou um mês desde que começaram as manifestações massivas contra a reeleição do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, para um sexto mandato.

A oposição rejeita os resultados do pleito de 9 de agosto, e os manifestantes exigem a renúncia de Lukashenko, que está no poder há 26 anos e é conhecido como "o último ditador da Europa".

Kolesnikova é uma das lideranças que integram o Conselho de Coordenação, criado pela oposição para pressionar o governo a promover uma nova votação. Ela foi detida na segunda-feira e no dia seguinte rasgou seu passaporte na fronteira entre a Ucrânia e Belarus para evitar sua expulsão.

A ativista continua presa na capital bielorrussa, Minsk. Ela está sendo acusada, juntamente com o advogado oposicionista Maxim Snak, de atentar contra a segurança nacional, numa investigação criminal contra os membros do Conselho de Coordenação. Caso condenados, estão sujeitos a até cinco anos de prisão.

Todos os membros do conselho, exceto a escritora Svetlana Alexievich, ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura de 2015, foram presos ou retirados à força do país.

Homens não identificados tentaram entrar na quarta-feira no apartamento de Alexievich em Minsk. Diplomatas de vários países europeus se reuniram em frente ao imóvel, conseguindo evitar a detenção da autora.

MD/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais