Oposição síria pede fim pacífico do regime Assad | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.09.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Oposição síria pede fim pacífico do regime Assad

Com autorização do governo, oposição reúne-se em Damasco e apela para um cessar-fogo e pelo início da transição democrática. Tropas rebeldes transferem comando do exílio na Turquia para território sírio.

Durante um encontro extraordinário neste domingo (23/09) em Damasco, integrantes de grupos que fazem oposição interna ao regime sírio pediram um fim pacífico ao governo do presidente Bashar al-Assad, após 18 meses de violentos confrontos com grupos rebeldes. A reunião foi organizada por um dos principais grupos de oposição da Síria, o Comitê Nacional de Coordenação para Mudança Democrática.

O encontro foi autorizado pelas autoridades sírias, apesar da prisão de diversos opositores nos últimos dias e das acusações por parte das forças rebeldes de que este seria um falso sinal de que Assad estaria buscando uma solução política para a crise no país. Participaram ainda representantes da Rússia e do Irã, aliados do presidente sírio.

Rajaa Nasser, um dos organizadores da Conferência de Salvação da Síria, pediu "o fim imediato dos tiroteios, dos bombardeios brutais e bárbaros, uma trégua e uma pausa para os combatentes". Uma trégua, segundo ele, "poderia abrir caminho para um processo político, que garantiria uma mudança política radical, o fim do regime atual e uma democracia séria e autêntica".

Segundo ativistas, 27 mil pessoas morreram na Síria desde o início dos protestos, em março do ano passado. Relutantes em realizar uma intervenção militar, os países ocidentais vêm tentando pressionar Assad a deixar o poder. No entanto, a ONU não tem conseguido implementar sanções mais duras contra o governo em Damasco devido aos constantes vetos da Rússia e da China no Conselho de Segurança.

Membros da oposição interna, incluindo críticos declarados de Assad que passaram anos na cadeia, disseram que Moscou e Pequim prometeram intervir junto ao governo para garantir proteção aos opositores durante a convenção deste domingo. Oito membros do Comitê da Mudança Democrática, no entanto, foram detidos por forças sírias na semana passada.

Em 18 meses de confrontos o saldo de mortos chegou a 27 mil pessoas

Em 18 meses de confrontos o saldo de mortos chegou a 27 mil pessoas

Mesma moeda

Combatentes rebeldes e integrantes do Conselho Nacional Sírio, grupo de oposição que defende a revolução armada, acusam o Conselho de Mudança Democrática de passividade. "Esta não é a verdadeira oposição na Síria. Eles são apenas o outro lado da mesma moeda", acusou um porta-voz dos rebeldes do Exército Livre da Síria (ELS).

Neste sábado, o grupo anunciou que transferiu seu comando central do exílio na Turquia para a Síria. Com isso, pretende tornar as forças contrárias às tropas do governo mais efetivas. O comandante rebelde Riad al-Assad estaria movimentando suas tropas em áreas sob o controle dos rebeldes no norte sírio pela primeira vez. O movimento é simbolicamente importante, pois reflete a grande confiança do ELS em sua liderança e mostra as perdas de controle por parte de Assad em grandes áreas de Aleppo e na província Idlib.

União internacional

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, reiterou neste domingo suas expectativas de que a comunidade internacional não se cale diante da assustadora violência na Síria durante a Assembleia Geral da ONU, que começa nesta terça-feira.

"Espero que a comunidade internacional envie um claro sinal de fim da violência e início de um novo começo na Síria", afirmou Westerwelle, após encontro com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

A Alemanha preside o Conselho de Segurança da ONU até o fim deste mês. O ministro voltou a pedir que Rússia e China finalmente abram caminho a procedimentos que pressionem Assad a ordenar um cessar-fogo.

MSB/rtr/dapd/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais