Opinião: Renúncia de assessor é correta e golpe para Trump | Notícias internacionais e análises | DW | 14.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Opinião: Renúncia de assessor é correta e golpe para Trump

Após apenas três semanas, Flynn deixa posto de principal assessor de política externa do presidente. Saída se tornou inevitável e já deveria ter ocorrido há muito tempo, opina o correspondente Michael Knigge.

Michael Knigge é correspondente da DW em Washington

Michael Knigge é correspondente da DW em Washington

Desde que o cargo foi criado, em 1953, o assessor de Segurança Nacional do presidente dos Estados Unidos é um dos membros mais influentes do governo em termos de política externa e de segurança. Nomeado diretamente pelo presidente, o assessor determina em grande parte, a partir da Casa Branca, as diretrizes da política externa americana.

Leia mais: Assessor de Trump renuncia após mentir sobre Rússia

Assessores de Segurança Nacional, como Henry Kissinger, Zbigniew Brzezinski, Brent Scowcroft e Condoleezza Rice, exerceram todos, sem exceção, uma influência marcante sobre o presidente e a política externa dos EUA. E é claro que, à frente desse cargo poderoso, todos eles foram alvo de controvérsias – e ainda são. Ainda assim, nos 60 anos de história do posto, nenhum assessor de Segurança Nacional teve que deixar a função após somente 24 dias. Donald Trump entrou, portanto, mais uma vez para os livros de história.

A renúncia de Michael Flynn não só é justificada como já deveria ter ocorrido há muito tempo. O mais tardar quando, poucos dias após a posse de Trump, veio à tona que o FBI e outras autoridades investigavam telefonemas do assessor nomeado de Segurança Nacional dos EUA com o embaixador russo em Washington, ficou claro que a situação estava apertada para Flynn.

Ele havia falado com o embaixador russo justamente no dia em que o então presidente Barack Obama impusera novas sanções à Rússia. Alguém poderia falar que a maldade está nos olhos de quem vê, só que Trump ressaltou repetidas vezes, durante a campanha eleitoral, que poderia remover as sanções. Flynn, que de início declarou não ter falado sobre sanções com o embaixador russo, disse na semana passada, por meio de um porta-voz, que não poderia descartar que o tema tivesse sido abordado.

Curiosamente, não foi essa confissão que desencadeou a renúncia de Flynn, mas o fato de ele ter deixado o vice-presidente do país, Mike Pence, em apuros. Isso porque Pence havia confiado na afirmação de Flynn – de que sanções não foram discutidas com o enviado do Kremlin em Washington – e defendido o assessor publicamente.

Depois de parecer que o tema foi, afinal, abordado, a credibilidade e a autoridade do vice-presidente – ele mesmo há apenas três semanas no cargo – correram risco de sofrer graves prejuízos. E assim a saída de Flynn se tornou inevitável.

No entanto, a renúncia de Flynn não é necessária apenas para não prejudicar mais o cargo e o governo de Trump. Ela também é bem-vinda por motivos políticos. Por sua islamofobia manifestada publicamente de maneira grosseira e sua igualmente estranha proximidade com a Rússia, especialistas em política externa e de segurança já consideravam Flynn altamente controverso antes mesmo de ele assumir o cargo. Quem o colocou no posto apesar de toda a resistência foi Trump. Por isso, a rápida partida do assessor é também um duro golpe para o presidente.

Leia mais