Opinião: Plano Marshall não é modelo adequado para recuperação da UE | Notícias internacionais e análises | DW | 26.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Plano Marshall não é modelo adequado para recuperação da UE

Pacote pós-pandemia, com dívida comum europeia, é um "momento histórico" para muitos políticos. Mas deve-se evitar repetir erros do passado e, sobretudo, colocar as verbas onde elas tenham futuro, opina Andreas Noll.

A narrativa soa convincente: um fundo de recuperação conferirá novas forças à União Europeia em dificuldades econômicas devido à epidemia de covid-19, além de emitir um sinal de solidariedade. Os ombros fortes ajudam os mais fracos. Uma vez que essa solidariedade teoricamente suscita gratidão, o programa também freará os populistas: mais dinheiro de Bruxelas é igual a menos votos para Matteo Salvini e companhia.

Essa é a equação simplista, que no passado infelizmente nunca deu resultado. Em contrapartida, o modelo histórico é eloquente: após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos organizaram o Plano Marshall, um fundo de reconstrução para a Europa que virou lenda.

Só que no momento pouco há para reconstruir na UE, não há carência de gêneros alimentícios para aplacar. O que existe, acima de tudo, são cobranças a financiar: seguro-desemprego e jornadas reduzidas, aposentadorias, mensalidades do seguro-saúde. A seguridade social é ainda mais cara em épocas de crise, e a maioria dos orçamentos estatais já está sobrecarregada. Mas para fechar esses buracos orçamentários, no momento a UE é o endereço menos apropriado que se possa imaginar.

Não se pode falar de apoio aos desempregados sem discutir a duração e valor das subvenções; não se pode falar de pensões sem discutir a idade de aposentadoria. Mas nenhum Estado-membro da UE quer conceder a eleitores estrangeiros poder de ingerência sobre as questões de orçamento nacional – muito menos partindo dos países que gritam mais alto por socorro.

Os políticos envolvidos no pacote sabem que não há como defender, perante os cidadãos, o financiamento estatal através da comunidade europeia, e frisam: não se trata de "más velhas dívidas", mas sim de "boas novas dívidas". E assim se definem projetos futuros visando fortalecer a Europa.

É claro que ninguém está pensando numa nova edição dos aeroportos-fantasmas da Espanha construídos com verbas da UE. Mas quem garante que desta vez a coisa andará melhor? – afinal de contas, trata-se de gastar mais num prazo menor. Os próprios cidadãos já identificaram os pontos de fissura: na Bulgária eles vão às ruas pelo medo de que o dinheiro de Bruxelas volte a sumir por canais escusos.

Quem vai pagar por esta chuva de ouro da UE será a geração jovem, em algum momento. Num estudo minucioso, o sociólogo grego Michael Kelpanides mediu o grau de consciência europeia dessa geração. Para tal, foi aonde a sensibilidade para as vicissitudes alheias deveria ser especialmente desenvolvida: à mais antiga escola europeia do continente, em Luxemburgo.

Sua decepcionante conclusão: "A confluência de grupos nacionais muito heterogêneos, que só se conheciam superficialmente, os faz finalmente se conscientizarem de quão diferentes são. E essa constatação pode ter como consequência, em vez de coesão, uma decidida separação recíproca."

A pesquisa de Kelpanides é apenas uma pedra do mosaico, mas mostra que quem acredita na maravilhosa ideia da Integração Europeia não deve sobrecarregar os cidadãos.

Mas agora que os dados já foram lançados, é hora de a UE direcionar as verbas para onde, no futuro, os europeus realmente terão que ser mais fortes juntos. Para a defesa europeia conjunta, por exemplo – à qual, contudo, não coube uma fatia especialmente generosa nas negociações sobre o pacote de recuperação, com apenas 7 bilhões de euros.

A UE também poderia continuar lá onde se viram os mais belos sinais de solidariedade europeia durante a crise. Diversos países-membros (e a Suíça!) receberam pacientes graves de covid-19 dos hospitais do Norte da Itália e do Leste da França.

Um registro comum europeu dos leitos de tratamento intensivo; a garantia de que em tempos de crise todos os países europeus se apoiarão mutuamente, sem burocracia, na assistência de saúde, partilhando leitos e medicamentos, não estocando máscaras: esse seria um sinal histórico.

Um sinal para o qual nem seria necessário exibir cartazes com o aviso "financiado com recursos da União Europeia".

____________________________________________________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais