Opinião: O cálculo gelado de Donald Trump | Notícias internacionais e análises | DW | 20.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: O cálculo gelado de Donald Trump

Ao manifestar interesse em comprar a Groenlândia, o presidente dos EUA tenta, mais uma vez, perturbar a ordem ocidental do pós-guerra. O principal interesse é o domínio americano no Ártico, opina Oliver Sallet.

Presidente dos EUA, Donald Trump

Trump confirmou rumores sobre os planos para adquirir a ilha, afirmando que a ideia é "estrategicamente interessante"

O presidente dos Estados Unidos é um famoso cético quando se trata de alterações climáticas provocadas pelo homem. No entanto, o atual derretimento do gelo na Groenlândia pode estar aquecendo seu coração. Isso porque a maior parte da Groenlândia está no Ártico, uma das poucas regiões subdesenvolvidas do mundo com grande potencial econômico.

Quando ele se oferece para comprar a Groenlândia, parece óbvio que o que interessa ao presidente são os recursos naturais do lugar. A mudança climática e o derretimento das massas de gelo levam a crer que estes serão em breve mais fáceis de serem alcançados. Até mesmo Trump, o negador da mudança climática, sabe disso – e não faz questão alguma de esconder que os EUA querem estar na vanguarda da corrida pelo Ártico no futuro.

Os países árticos incluem não apenas os EUA, o Canadá, a Noruega e a Dinamarca, mas também o rival geopolítico de Trump, a Rússia. Até mesmo a China, que na verdade não possui territórios árticos, está inequivocamente tentando justificar sua reivindicação na região polar, descrevendo-se como um país "em grande proximidade" do Ártico.

Está claro que o que está em jogo aqui é mais do que apenas um negócio imobiliário. A corrida por recursos naturais e rotas marítimas reflete a mudança na hierarquia geopolítica das antigas e emergentes hegemonias. Trump está interessado em nada menos que o domínio americano no Ártico – e por isso ele tem que competir com a Rússia e a China.

De fato, a ideia de tornar a Groenlândia um território dos EUA não é nova. O presidente Harry S. Truman tentou isso em 1946. De Louisiana ao Alasca, os EUA fizeram antes grandes e históricas aquisições de terras. Por que "Make America Great Again" não poderia funcionar também com a Groenlândia?

Sete décadas se passaram desde 1946 – e não apenas isso. Imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, a ordem mundial do pós-guerra, especialmente sob a liderança dos EUA, ainda estava tomando forma. Hoje, o Ocidente, incluindo a Dinamarca, está fortemente ligado aos EUA através da participação comum na Otan. A aliança militar era garantia de liberdade e multilateralismo.

Agora, porém, a China está contestando a posição americana como potência global – e Trump é parcialmente responsável por isso. Desde que assumiu o cargo, ele tem buscado enfraquecer as bases da estrutura ocidental: pressionando pela dissolução da União Europeia, questionando o sentido da Otan, aproximando-se de déspotas e se afastando dos antigos parceiros dos Estados Unidos no Ocidente. Oferecer-se para comprar o território dinamarquês pode ser uma violação de um tabu – mas corresponde à visão de mundo desse presidente dos EUA.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais