Opinião: Ministro alemão do Exterior não entendeu sua real função | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Opinião: Ministro alemão do Exterior não entendeu sua real função

Ótica apenas econômica de sua agenda na América do Sul provou que Guido Westerwelle subestima o subcontinente, diz Miriam Gehrke. Viagem foi marcada por acusações de que na delegação havia empresários amigos do ministro.

default

Em que função, afinal, esteve Guido Westerwelle ao viajar pela América do Sul? Correto; oficialmente, como ministro das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha. Nessa atribuição, ele apertou a mão de seus colegas de pasta no Chile, Argentina, Uruguai e Brasil, trocou cordialidades, sorriu para as câmeras, louvou exaltado os valores comuns como fundamento para as boas relações, e anunciou com grandiloquência que pretende fazer do estreitamento do contato com a América do Sul um foco de seu mandato. Pois – na constatação do ministro alemão – a América do Sul continua "sendo muito subestimada" na Europa.

Tudo isto não passa de uma enxurrada de frases prontas despejadas pela máquina de fórmulas diplomáticas. Há anos, a Alemanha não tem uma política concreta para a América Latina. Paralelamente à queda do Muro de Berlim e à reunificação alemã, há 20 anos terminava a era das ditaduras militares na América Latina. Após o retorno à democracia, a região foi arquivada com o carimbo "problema resolvido". O interesse em seus atuais desdobramentos políticos e sociais desapareceu.

A função de desenvolver as tão louvadas boas relações fica relegada aos representantes da economia alemã. E aqui entra novamente em cena o ministro do Exterior, o qual, em suas próprias palavras, se considera um "abridor de portas" para o empresariado nacional. Deste modo, é fácil compreender o aplauso dos empresários alemães quando seu mais alto advogado instou a Argentina a finalmente saldar suas dívidas junto ao Clube de Paris. Pois só assim os negócios com a Argentina poderão contar novamente com as garantias alemãs.

Está claro que os executivos alemães igualmente se alegraram diante da promessa de Westerwelle de ajudar o Brasil a expandir a energia nuclear; assim como diante das perspectivas de negócios bilionários no âmbito da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no país. Pois, segundo o chefe da diplomacia, postos de trabalho na Alemanha dependem disso.

O ministro das Relações Exteriores ainda não compreendeu o seu cargo. Ele desperdiçou a oportunidade de debater abertamente com os brasileiros sobre as divergências quanto ao programa atômico do Irã; nem chegou a um posicionamento comum sobre a reforma do Conselho de Segurança Mundial. Direitos humanos, Estado de direito, proteção ao clima: todos estes são aparentemente conceitos estranhos para o ministro alemão do Exterior.

Nesta viagem, Westerwelle, na qualidade de presidente do Partido Liberal Democrático (FDP), cuidou dos interesses da clientela que sustenta seu partido com generosas doações. Assim, não é de surpreender o fato de a imprensa sul-americana mal ter registrado a passagem do ministro pela região. Fora clichês do discurso político, a Alemanha nada tem a oferecer à América Latina.

Em uma economia globalizada, os investimentos encontram seu caminho sem necessidade de qualquer flanqueamento político. O melhor exemplo disso é o avanço da China na América Latina. E a ótica exclusivamente econômica das conversas de Westerwelle provou que – também ele – subestima dramaticamente o subcontinente.

Autora: Miriam Gehrke (av)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais