Opinião: Fim da democracia na Turquia | Notícias internacionais e análises | DW | 07.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Fim da democracia na Turquia

A eleição de Istambul vai ser repetida após derrota do partido do presidente Erdogan. Não importa o resultado da nova votação: democracia turca já estará perdida.

Türkei | Wahlplakat Erdogan | Istanbul (Getty Images/C. McGrath)

"Obrigado, Istambul", diz cartaz eleitoral após reeleição de presidente turco Erdogan neste ano

Derrotas estão fora de questão para o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. Especialmente quando se trata de Istambul. Após o fim das eleições municipais na Turquia, em 31 de março, ficou claro que elas iriam ter prosseguimento na metrópole do Bósforo.

Mesmo que Ekrem Imamoglu, vencedor da eleição do partido CHP, já tenha recebido seu diploma de prefeito da cidade de 15 milhões de habitantes, o AKP e Erdogan fizeram de tudo para não perder Istambul.

A princípio, apenas nos distritos com resultado final apertado devia haver recontagem, então se falou que houve discrepâncias com as cédulas eleitorais. Mas agora se diz que os mesários nas urnas não eram funcionários públicos. Estranhamente, a maioria deles era formada por membros do AKP.

Mesmo que tenha havido mais do que apenas incoerências em eleições anteriores, o Conselho Superior Eleitoral sempre rejeitou todas as queixas da oposição. Mas agora o procedimento é diferente.

Uma coisa é fato – a decisão do Conselho é o golpe final contra a democracia na Turquia.

Mas então surgem perguntas: por que o Conselho Superior Eleitoral aceitou a queixa do AKP? Por que a decisão foi suspensa três vezes? Como os mercados financeiros estão reagindo à repetição das eleições em Istambul? Não há respostas. 

Existe apenas especulação. O principal órgão eleitoral não resistiu à pressão de Erdogan. A propósito, a decisão do conselho é final. Ela não pode mais ser contestada.

A escolha da data para anunciar a decisão foi taticamente sábia. No primeiro dia do Ramadã, nesta terça-feira (07/05), não há multidões nas ruas protestando. E divulgar a notícia após o fechamento da Bolsa de Valores mostra que se espera que uma reação passe despercebida dos mercados.

Mas longe disso. Especialistas econômicos já especulavam nos últimos dias que a lira turca perderia bastante valor em relação ao euro e ao dólar caso as eleições tivessem que ser repetidas.

Uma coisa é certa: não importa o resultado do pleito em 23 de junho – a democracia na Turquia já está perdida.

Erkan Arikan é editor-chefe do site em turco da DW.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais