Opinião: Estratégia de Boris Johnson para Brexit é o caos | Notícias internacionais e análises | DW | 11.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Estratégia de Boris Johnson para Brexit é o caos

O que o premiê britânico pretende com sua investida contra o tratado de saída da UE? Só um toque de maluquice pode explicar um comportamento tão inescrupuloso, opina Barbara Wesel.

Não se pode infringir "um pouquinho" um acordo internacional, seria como ficar um pouquinho grávida. No entanto, foi assim que o secretário de Estado para a Irlanda do Norte, Brandon Lewis, anunciou na câmara baixa do Parlamento britânico a violação do tratado de saída da União Europeia, e parecia bem tranquilo. Um caso de descaramento ou estupidez – provavelmente trata-se desta última.

Há muito já foi dito tudo o que havia para dizer sobre a qualidade da maioria dos secretários no gabinete do premiê Boris Johnson: ele se cercou de bajuladores inexperientes, de estatura intelectual questionável, porque eles são muito mais fáceis de manter sob controle.

No caso do ministro da Saúde Matt Hancock, isso fez como que o país registrasse o maior número de mortes entre os países da Europa durante a pandemia de covid-19. Excetuado o chanceler do Tesouro e o esperto e ambicioso Michael Gove, a equipe de Johnson é formada por políticos de quinta categoria.

A nova prova disso é que nenhum dos ministros ousa colocar em questão a estratégia de caos do primeiro-ministro para o Brexit. A chamada lei do mercado interno proposta por Johnson constitui uma gritante transgressão jurídica. Seria razoável esperar que esses ministros respeitassem o juramento de zelar pelo direito e a lei quando assumiram seus mandatos. Seria...

Contudo o premiê já mostrou o que pensa do Estado de direito no ano passado, ao determinar que  o Parlamento entrasse em recesso forçado, a toque de caixa. Para Johnson e seu conselheiro populista-diabólico Dominic Cummings, tais princípios não passam de obstáculos incômodos, quanto mais rápido a pessoa se livra dessas amarras, mais liberdade de ação terá.

As soturnas ameaças de conservadores veteranos como o ex-premiê John Major, de que o Reino Unido corre perigo de perder a confiança de seus parceiros internacionais, devem funcionar antes como estímulo para Boris Johnson. Afinal de contas, autocratas sem lei e Estados-vilões não precisam ter consideração por ninguém, e podem exercer controle absoluto sobre amigos e inimigos, enquanto estes permitam. E não foi justamente isso que ele prometeu, com o Brexit?

Os britânicos, porém, observam atônitos seu chefe de governo seguir a cartilha para populistas de Donald Trump. As salvaguardas institucionais na assim chamada "pátria da democracia" se mostram fracas, tradições seculares desmoronam como castelos de cartas, sem que haja resistência digna de nota. Johnson cria o maior caos político possível para escamotear seu fiasco na pandemia e sedimentar seu poder.

É no contexto dessa grande trama que se desenrola o drama secundário do acordo do Brexit. Os europeus decidiram não se deixar provocar: em vez de se desesperar e ceder aos britânicos, eles deram um ultimato e ameaçam com medidas jurídicas, caso a controvertida lei seja aprovada. E é claro que não pode haver nenhum acordo comercial se o Reino Unido não acatar o protocolo para a Irlanda do Norte (que tenta evitar a reinstalação de uma fronteira física entre as duas Irlandas).

O fato de Boris Johnson utilizar a delicada questão norte-irlandesa para atear fogo ao acordo de saída de UE simplesmente prova mais uma vez seu desbragamento politico. Ele parece não dar a mínima para as consequências de suas ações sobre a paz na região, contanto que os linhas-duras do Brexit em seu Partido Conservador estejam contentes. Isso é fazer política com bola de demolição.

Mas o que o primeiro-ministro britânico quer, na verdade? Detonar as negociações comerciais e colocar a culpa na UE? Ele estará mesmo mirando um "no deal"? Ou quer deixar a UE nervosa com suas investidas, para que no fim acabe lhe concedendo um acordo comercial mais vantajoso? Ambas as teorias são discutidas entre os observadores de Downing Street, e não falta material para quem gosta de apostar.

Toda vez que Johnson fala dos "amigos e parceiros" na Europa, provoca uma leve náusea. A hipocrisia é óbvia. Agora, no entanto, ele fornece a prova de que não quer mais nenhuma relação com a UE, seja amigável ou sequer comercial. Ele destrói toda base de confiança, e nem se dá por achado.

Trump pode se permitir tal coisa, como presidente de uma potência mundial. No caso do premiê de um país de porte médio à margem da Europa, contudo, um comportamento desses sugere certa dose de maluquice. Com quem ele espera se aliar no futuro, com quem espera fazer negócios? Como o Reino Unido vai viver depois de um "Brexit duro", se os europeus partirem para uma guerra comercial, por causa da Irlanda?

Nem mesmo os conhecedores de Boris Johnson têm resposta para essas perguntas. Todos que estimavam ou amavam o Reino Unido, porém, não reconhecem mais o país. Os britânicos nos abandonaram. E de um jeito que vai muito além do Brexit.

Leia mais