Operação da PF amplia briga interna no PSL | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 15.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Operação da PF amplia briga interna no PSL

Agentes efetuam buscas na casa do presidente do partido, em meio a guerra com Bolsonaro pelo controle da sigla. Ala bolsonarista estaria encarando ação como oportunidade para deixar o PSL sem risco de perder o mandato.

O presidente Jair Bolsonaro

Há uma semana, Bolsonaro afirmou que Luciano Bivar estava "queimado para caramba"

A disputa pública pelo comando do PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, ganhou um novo capítulo nesta terça-feira (15/10) quando agentes da Polícia Federal (PF) realizaram uma operação de busca e apreensão na casa do presidente nacional da legenda, o deputado Luciano Bivar (PE).

A ação ocorre no âmbito da investigação que apura a suspeita de que o partido falsificou a destinação de recursos para candidaturas femininas em Pernambuco.

Agentes vasculharam a casa de Bivar em Jaboatão dos Guararapes e a sede do diretório pernambucano do PSL. Também foram realizadas buscas na casa de três candidatas nas eleições de 2018, suspeitas de atuarem como laranjas. A autorização para as buscas foi concedida pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE).

A operação também acontece em meio a uma barulhenta disputa pública entre Bivar e Bolsonaro pelo controle da sigla. O timing da operação chegou a levantar questionamentos por parte da defesa de Bivar, já que ocorre apenas uma semana após Bolsonaro ter dito publicamente a um apoiador em frente ao Palácio da Alvorada para que "esquecesse o partido", porque o presidente do PSL estava "queimado para caramba".

A defesa de Bivar disse "que quer crer" que a operação não tem "nenhuma motivação política". Apesar da insinuação, o pedido para realizar as buscas foi feito pela PF em 21 de agosto, mais de um mês antes de os atritos entre Bolsonaro e Bivar se tornarem públicos.

Oficialmente, o grupo de Bolsonaro no PSL mantém o discurso de que está insatisfeito com Bivar por causa da falta de transparência no comando da sigla e a eclosão das suspeitas em torno das candidaturas de fachada em Pernambuco. Ainda assim, o próprio presidente da República vinha insistindo em manter no cargo o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que também é suspeito de comandar um esquema similar de candidaturas laranjas em Minas Gerais.

Já os apoiadores de Bivar acusam o grupo do presidente de querer controlar a gorda fatia do fundo partidário que cabe ao PSL desde que a sigla se tornou a segunda maior bancada da Câmara Federal. O fundo deve chegar a 110 milhões de reais neste ano. 

Independentemente do motivo da disputa, a fala de Bolsonaro sobre Bivar na última semana acabou detonando uma crise interna na legenda. Nos dias que se seguiram, a imprensa brasileira revelou que Bolsonaro e seus aliados próximos no PSL planejam deixar a sigla. Porém, o plano ainda esbarra nas regras eleitorais, já que os deputados bolsonaristas que resolverem eventualmente deixar a legenda correm o risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

Ao jornal O Globo, a advogada eleitoral de Bolsonaro, Karina Kufa, disse que o presidente tem travado conversas com dirigentes de pelo menos cinco partidos.

Ainda em meio à disputa, a ala bolsonarista, que agrupa pouco mais de duas dezenas dos 53 deputados do PSL, apresentou à direção do partido um pedido de análise sobre as contas internas. Em retaliação, o grupo de Bivar passou a falar sobre a possibilidade de realizar uma auditoria nas contas da campanha presidencial de Bolsonaro e da conferência conservadora Cpac, organizada por um dos filhos do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro, e que contou com recursos do PSL.

O grupo de Bivar ainda aumentou o tom contra Bolsonaro. O delegado Waldir (PSL-GO), líder do partido na Câmara, disse ao jornal O Globo que o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e seu ex-assessor Fabrício Queiroz "devem preparar um cafezinho para receber a Polícia Federal em breve".

Waldir ainda insinuou que Bolsonaro havia sido avisado previamente da operação contra Bivar nesta terça-feira. "O presidente da República parece ter uma bola de cristal e já estava esperando essa operação", disse.

Na noite desta terça-feira, Delegado Waldir chegou a se unir à oposição para tentar obstruir a votação de uma medida provisória que trata sobre a reformulação da estrutura do Poder Executivo e mexe com pontos sensíveis como o antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A manobra de Waldir adiou a votação por duas horas. Em reação, deputados bolsonaristas iniciaram um movimento para destituir o deputado da função de liderança.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Bolsonaro e seu grupo estão encarando a operação como oportunidade para que os deputados bolsonaristas deixem o PSL sem risco de perder o mandato.

De acordo com o jornal, um deputado da ala bolsonarista afirmou que a operação contra Bivar deve reforçar o discurso de que os deputados podem alegar "justa causa" para deixar a legenda com seus mandatos intocados.

A legislação eleitoral permite quatro situações de justa causa para que um deputado possa mudar de legenda sem perder o mandato: fusão ou incorporação do partido; mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; grave discriminação política pessoal, e saída para disputar eleição (no último ano de mandato).

Porém, o líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), que faz parte de uma ala mais conciliadora do PSL e que tem ficado à margem da disputa entre bolsonaristas e o grupo de Bivar, disse que, se os deputados ligados ao presidente da República usarem a operação como justificativa para deixar a sigla, eles "cuspirão no prato em que comeram". "Eu não acho que seja pertinente. Isso se chama cuspir no prato que comeu. Eu acho lamentável", declarou ele à Folha.

Ao menos 20 parlamentares estariam dispostos a seguir Bolsonaro. Nos bastidores, aliados do presidente consideram até mesmo abrir mão do fundo partidário da sigla em troca de uma desfiliação sem a perda do mandato, afirma o jornal paulista. A previsão é que o PSL receba 110 milhões de reais do fundo partidário até o fim do ano.

JPS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais