Onda de frio já causou mais de 160 mortes no Leste Europeu | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 03.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Onda de frio já causou mais de 160 mortes no Leste Europeu

Temperaturas em torno dos 30 graus negativos deixam mais de cem mortos só na Ucrânia. Alemanha tem a noite mais gelada deste inverno. Rússia conta 64 mortos pelo frio em todo o mês de janeiro.

default

Termômetros registraram temperaturas abaixo de -30°C no Leste Europeu

A recente onda de frio vinda do Ártico deixa cada vez mais vítimas na Europa. As baixas temperaturas já causaram a morte de 101 pessoas na Ucrânia, informou o Ministério da Defesa Civil nesta sexta-feira (03/02). A maioria dos mortos eram desabrigados. Com temperaturas de até -33°C, o país do Leste Europeu vive o inverno mais frio dos últimos seis anos.

Mais de 1.200 pessoas foram internadas em hospitais ucranianos, e 90% das escolas seguem fechadas. Autoridades indicaram mais de 3 mil abrigos onde os sem-teto podem se esquentar e se alimentar.

Há um elevado número de mortos também em outros países do Leste Europeu. Na Polônia morreram 37 pessoas, segundo números do Ministério do Interior. A Romênia conta 24 mortos da onda de frio.

Enquanto isso, na Rússia, foram contabilizadas 64 vítimas das baixas temperaturas em todo o mês de janeiro, informou a agência de notícias Itar-Tasso, citando números do Ministério de Defesa Civil. Somente na madrugada desta sexta-feira, cerca de 20 pessoas foram levadas a hospitais de Moscou por conta do frio.

Pela primeira vez em anos, o transporte por balsa de Vladivostok à ilha de Putjatina foi interrompido devido às massas de gelo. Em Belarus, cerca de 900 escolas foram fechadas por causa do frio.

O frio ártico também começou a ter efeitos no abastecimento de gás proveniente da Rússia. O fornecedor polonês PGNiG reportou uma queda de pressão de 7% no gasoduto Jamal, o principal entre o leste e o oeste, informou o jornal Gazeta Wyborcza. Por isso, a Polônia já começou a usar suas próprias reservas de gás. Por conta das temperaturas de -30°C, o consumo de gás aumentou em cerca de 50% no país.

Alemanha gelada

Obdachlose in der Kälte

Moradores de rua são os que mais sofrem com o frio

Na Alemanha, a onda de frio resultou na noite mais gelada deste inverno na madrugada desta sexta-feira. Na comunidade de Deutschneudorf, na Saxônia – estado do leste alemão –, foi registrada a temperatura de -26,4 °C, disse Dorothea Paetzold, do serviço de meteorologia alemão, à agência de notícias DAPD.

No sudoeste da Saxônia, as temperaturas ficaram abaixo de -20°C em diversas localidades. A localidade de Bad Elster registrou -23,6°C, e Carlsfeld, -22,8°C.

Nos estados de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e Schleswig-Holstein nevou muito em comparação ao resto do país. As duas áreas amanheceram cobertas com uma camada de neve de até 10 centímetros de altura nesta sexta-feira.

A meteorologista Paetzold prevê mais frio para os próximos dias e neve também no norte da Alemanha.

República Tcheca e Itália

A comunidade de Kvilda, na República Tcheca, registrou o recorde de frio do país nesta sexta-feira: -38°C. Mais da metade das estações meteorológicas registraram recordes. O número de mortos decorrentes do frio no país é de no mínimo nove pessoas.

O frio e a neve também abalaram o norte da Itália. Milhares de pessoas ficaram sem energia elétrica em suas casas ou presas em trens atolados na neve. Em Roma, as escolas ficaram sem aulas.

LPF/dapd/rtr/dpa/afp
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais

Links externos