OMS aprova uso emergencial da vacina de Oxford | Notícias internacionais e análises | DW | 15.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

OMS aprova uso emergencial da vacina de Oxford

Aval permite que imunizante contra a covid-19 da AstraZeneca seja distribuído ao redor do mundo por meio do consórcio Covax Facility. Brasil deverá receber 42,5 milhões de doses até o fim de 2021.

Mãos com luvas hospitalares seguram uma ampola de vacina e uma seringa

Acordo do Brasil com o Covax Facility prevê envio de 1,6 milhão de doses ainda no primeiro trimestre

A Organização Mundial da Saúde (OMS) autorizou nesta segunda-feira (15/02) o uso emergencial da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

O aval da entidade abre caminho para que o imunizante seja distribuído ao redor do mundo por meio do consórcio Covax Facility, um programa apoiado pelas Nações Unidas para compra e distribuição de vacinas contra a covid-19, visando um acesso mais igualitário aos imunizantes e priorizando países mais pobres.

"A OMS listou hoje duas versões da vacina da AstraZeneca-Oxford contra a covid-19 para uso emergencial, dando luz verde para que essas vacinas sejam lançadas globalmente através do Covax", afirmou a organização internacional em comunicado.

As duas versões aprovadas pela entidade são as produzidas pela AstraZeneca-SKBio, na Coreia do Sul, e pelo Instituto Serum, na Índia – que também fabricou doses do imunizante da AstraZeneca-Oxford que estão sendo usadas no Brasil.

"Agora temos todas as peças no lugar para a distribuição rápida das vacinas. Mas ainda precisamos aumentar a produção", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O imunizante da AstraZeneca-Oxford é parte fundamental do Covax Facility, correspondendo a quase todas as 337,2 milhões de doses que o programa pretende enviar a cerca de 145 países no primeiro semestre deste ano, incluindo o Brasil. Para isso faltava a autorização da OMS.

O acordo do Brasil com o Covax prevê o envio de 42,5 milhões de doses da vacina ao longo de 2021. Cerca de 1,6 milhão de doses estão previstas para chegar ao país ainda no primeiro trimestre, e outros 6 milhões, no segundo trimestre. 

Entre as vantagens do imunizante estão o preço relativamente baixo e a possibilidade de armazenamento em geladeiras normais, sem a necessidade de sistemas de temperaturas baixíssimas como os requeridos pelas vacinas da Pfizer-Biontech e da Moderna, o que facilita sua distribuição.

Grupo recomendou uso

A aprovação da organização ocorre dias depois de especialistas da OMS terem recomendado o uso da vacina da AstraZeneca-Oxford, afirmando que ela pode ser administrada inclusive em pessoas com mais de 65 anos, apesar das dúvidas que surgiram sobre sua eficácia nessa faixa etária.

A recomendação foi feita na quarta-feira passada pelo Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas (Sage), que emite recomendações sobre o uso de vacinas à OMS. Vários países, incluindo Portugal e Alemanha, recomendaram que o imunizante não fosse administrado em pessoas com mais de 65 anos, devido à escassez de dados de estudos referentes a esse grupo.

O Sage reconheceu que os testes clínicos com a vacina da AstraZeneca-Oxford tiveram uma participação pequena de pessoas com mais de 65 anos, mas disse ter concluído que "os resultados nesse grupo não são diferentes dos mais jovens".

Sobre as dúvidas a respeito de uma possível menor eficácia da vacina da AstraZeneca contra novas variantes do coronavírus Sars-Cov-2, principalmente a cepa originária da África do Sul, os especialistas disseram que isso foi notado principalmente em casos leves e moderados da doença, mas que "há evidências indiretas de que [a vacina] ainda protege em casos graves".

"Considerando esses fatores, não há razão para desaconselhá-la, nem em países onde há circulação das novas variantes do coronavírus", declarou o Sage na semana passada.

Essa questão causou preocupação na África do Sul. O país chegou a adquirir 1 milhão de doses da vacina da AstraZeneca, mas acabou suspendendo a aplicação do imunizante após estudos preliminares terem indicado que sua eficácia pode cair para 22% contra a nova cepa.

Vacina no Brasil

A vacina da AstraZeneca-Oxford é um dos dois imunizantes que estão sendo usados atualmente na campanha de vacinação no Brasil, ao lado da Coronavac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Além das doses da AstraZeneca-Oxford previstas para chegar por meio do Covax Facility, o governo federal fechou um acordo em julho do ano passado com os produtores, tornando a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) parceira no preparo e produção do imunizante no país.

O acordo envolve a entrega de 100,4 milhões de doses até o meio do ano, preparadas e envasadas pela Fiocruz a partir do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) importado, feito por uma empresa parceira da AstraZeneca na China. O contrato também transfere a tecnologia de produção do IFA ao Brasil para que, no segundo semestre, a Fiocruz produza mais 100 milhões de doses.

ek/cn (AFP, Efe, Reuters, ots)

Leia mais