OMS alerta sobre crescimento de novos casos de covid-19 na Europa | Notícias internacionais e análises | DW | 17.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

OMS alerta sobre crescimento de novos casos de covid-19 na Europa

Diretor da organização no continente reconhece "fadiga" da população com a crise, mas pede para que países tomem decisões "baseadas na ciência" ao explorarem relaxamento em prazos de quarentena.

Deutschland München | Coronavirus | Flughafen Franz Josef Strauss (picture-alliance/Sven Simon/F. Hoerman)

Centro de testagem em aeroporto na Alemanha. Europa vem passando por um explosão de novos casos de covid-19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou nesta quinta-feira (17/09) como "alarmante" o ritmo atual de transmissão do coronavírus na Europa.

"Os números de setembro deveriam servir de alerta para todos nós na Europa, onde o número de casos é superior aos registrados em março e abril. Na semana passada, o total de casos superou os 300 mil", declarou em Copenhague o diretor da OMS no continente, Hans Kluge.

O diretor reconheceu que o número de novos casos reflete o número de testes realizados, mas considerou que também revela "ritmos de contágio alarmantes".

A agência da ONU também manifestou preocupação com a redução do tempo de quarentena. Kluge disse que ainda não recomenda medidas como as adotadas em França, como a redução do tempo de quarentena de 14 para sete dias, porque "mesmo uma ligeira redução na duração da quarentena" pode ter efeito na propagação da doença.

 "O período de 14 dias é uma estimativa conservadora do período infeccioso" e, apesar de contemplar alguma incerteza, cobre "três a cinco dias antes e cinco dias depois do aparecimento dos sintomas".

Ele, no entanto, admitiu que existe entre a população uma "fadiga natural" com a persistência de uma crise sanitária como a da covid-19 e que é preciso compreendê-la.

Ainda assim, Kluge encorajou os países europeus a tomarem "decisões baseadas na ciência" e a "explorarem opções de redução seguras". "O conceito de quarentena tem que ser protegido, adaptado continuamente e bem comunicado, sem qualquer ambiguidade", defendeu. "A resposta à crise foi eficaz quando as ações foram rápidas e decididas, mas o vírus foi impiedoso quando se meteu a politização e a desinformação".

Desde o início pandemia, foram registrados 4.893.614 casos e 226.524 mortes na Europa. Nas últimas duas semanas, mais de metade dos países da Europa também tiveram aumentos de novos casos diários superiores a 10% e sete nações viram o número de novos casos duplicar nesse período.

Na primeira semana de setembro, a faixa etária em que se verificam mais casos novos é entre os 25 e 49 anos.

Na França, que organiza testes de diagnóstico em larga escala, foram registrados 10 mil novos contágios nas últimas 24 horas.

Na Espanha, a região de Madri é o epicentro da aceleração de casos de covid-19. Nesta quinta-feira, as autoridades locais recuaram após o anúncio da véspera de possíveis confinamentos seletivos nas áreas mais afetadas pelo coronavírus.

O ministro regional da Justiça, Enrique López, reconheceu que a palavra confinamento "gera ansiedade" e destacou que a administração de Madri pretende apenas "reduzir a mobilidade e os contatos" para prevenir os riscos, sem chegar ao extremo de confinar a população.

"Temos que fazer o necessário para controlar a situação em Madri", insistiu o ministro espanhol da Saúde, Salvador Illa.

Em todo mundo, a pandemia provocou mais de 942 mil mortes e quase 30 milhões de contágios, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

JPS/lusa/afp