OMS alerta contra descartar de antemão vacina de Oxford | Notícias internacionais e análises | DW | 09.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

OMS alerta contra descartar de antemão vacina de Oxford

Dúvida sobre eficácia contra variante sul-africana é "preocupante", mas organização lembra que imunizante produzido pela AstraZeneca em parceria coma Universidade de Oxford se saiu bem em outros estudos.

Tedros Adhanom Ghebreyesus

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, disse que fabricantes de vacinas terão de se ajustar à evolução do vírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta segunda-feira (08/02) que vai tomar nos próximos dias uma decisão sobre o uso de emergência da vacina contra covid-19 de Oxford/Astrazeneca, depois de dúvidas surgidas sobre a eficácia do imunizante contra a variante do coronavírus detectada pela primeira vez na África do Sul.

Uma decisão favorável vai permitir que milhões de doses dessa vacina sejam enviadas a países pobres, dentro do programa de distribuição Covax, apoiado pelas Nações Unidas. "Não precisamos logo concluir que esta vacina não funciona de jeito nenhum", disse a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan.

A OMS também chamou a atenção para o pequeno número de voluntários que participaram de um estudo (cerca de 2 mil) que apontou eficácia limitada contra a variante sul-africana e argumentou que é importante fazer uso de todos os meios disponíveis para combater a pandemia. A chefe da vacinas da organização, Kate O'Brien, lembrou que outros estudos atestaram a eficácia da chamada vacina de Oxford.

A vacina desenvolvida pela empresa AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford é parte fundamental do Covax, um programa para a compra e distribuição de vacinas contra a covid-19 que almeja um acesso mais igualitário ao redor do mundo e prioriza países pobres.

O imunizante de Oxford/Astrazeneca corresponde a quase todas as 337,2 milhões de doses que o Covax pretende enviar a cerca de 145 países no primeiro semestre deste ano. Para isso é necessária a autorização da OMS.

Dúvida sobre eficácia preocupa

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a dúvida sobre a eficácia da vacina da AstraZeneca contra a variante sul-africana do coronavírus é preocupante.

O chefe da OMS reafirmou que é preciso fazer de tudo para evitar a circulação do vírus e disse que é cada vez mais claro que os fabricantes de vacinas "terão de se ajustar à evolução do vírus", tendo em conta as mais recentes variantes, para futuras vacinas.

"Sabemos que os vírus sofrem mutações e sabemos que temos de estar prontos para adaptar as vacinas para que continuem a ser eficazes. É isto o que acontece com as vacinas contra a gripe, que são atualizadas duas vezes por ano para corresponderem às estirpes dominantes", disse.

Apesar das dúvidas, os especialistas do Covax apelaram aos países para que não descartem de antemão a vacina da AstraZeneca. "É demasiado cedo para descartar essa vacina", disse Richard Hatchett, que dirige a Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias (Cepi), uma das organizações que lideram a aliança de vacinação Covax ao lado da OMS. "É absolutamente crucial utilizar os instrumentos de que dispomos da forma mais eficaz possível", acrescentou.

África do Sul adiou vacinação

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira que iria suspender o início da sua campanha de vacinação com a vacina da AstraZeneca após um estudo ter demonstrado que o imunizante era pouco eficaz contra a variante sul-africana do vírus, que é dominante no país.

O governo sul-africano acrescentou que, nas próximas semanas, vai recorrer às vacinas produzidas pela Johnson & Johnson e pela Pfizer, esta desenvolvida em parceria com a empresa alemã Biontech.

A variante sul-africana do coronavírus (chamada B1351) é uma das que mais preocupam atualmente os cientistas, juntamente com as identificadas no Reino Unido (B117) e no Brasil (B1128).

Eficácia de apenas 22% contra variante

A pesquisa científica foi realizada pelas universidades de Witwatersrand, na África do Sul, e de Oxford, no Reino Unido, e envolveu 2 mil participantes com idade média de 31 anos.

De acordo com os resultados preliminares da pesquisa, o risco de desenvolver uma forma de leve a moderada de covid-19 foi apenas 22% menor para quem tomou a vacina de Oxford/AstraZeneca, considerando as infecções com a variante sul-africana do coronavírus.

A proteção contra formas de moderada a grave não puderam ser avaliadas porque os participantes da pesquisa eram muito jovens.

A vacina de Oxford no Brasil

O primeiro lote do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para a produção das vacinas Oxford/AstraZeneca pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) chegou no sábado ao Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. O material deve finalmente possibilitar a produção dessa vacina contra a covid-19 em território nacional, após seguidos atrasos.

Os termos do acordo entre a Fiocruz, a AstraZeneca e a Universidade de Oxford preveem que, inicialmente, o Brasil vai produzir a vacina com IFA importado. Posteriormente, Bio-Manguinhos vai nacionalizar a produção do insumo, o que deve ocorrer no segundo semestre, a partir de um processo de transferência de tecnologia. Após a nacionalização do IFA, a Fiocruz prevê produzir mais 110 milhões de doses até o fim deste ano, chegando a um total de mais de 210,4 milhões de doses.

Até o momento, 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford importadas da Índia foram as únicas que o governo federal conseguiu distribuir até o momento. O grosso da campanha de imunização vem sendo executada com doses de Coronavac, a vacina promovida pelo governo de São Paulo e que havia sido inicialmente rejeitada pelo Planalto.

as/lf (AP, AFP, Lusa, DPA)

Leia mais