OMC alerta sobre risco de guerra comercial | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

OMC alerta sobre risco de guerra comercial

Diretor-geral da Organização Mundial do Comércio afirma que conflito pode levar a profunda recessão e pede que países evitem escalada de barreiras comerciais. Tensão cresce após decisão dos EUA sobre taxação do aço.

Roberto Azevêdo

Roberto Azevêdo faz alerta após reunião especial que tratou das recentes tensões comerciais

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, alertou nesta segunda-feira (05/03) sobre o risco de uma guerra comercial consequente de decisões protecionistas e afirmou que um conflito deste tipo poderia levar o mundo a uma "profunda recessão".

"À luz dos recentes anúncios sobre medidas de política comercial, é claro que agora vemos um risco muito maior e real de desencadear uma escalada de barreiras comerciais em todo o mundo", afirmou Azevêdo, numa reunião especial que tratou das recentes tensões comerciais após a decisão dos Estados Unidos de anunciar um aumento nas tarifas de importação de aço e alumínio.

Leia também:

"Brasil terá dificuldade em achar outro mercado para o aço"

 As lições que Trump ignora

"Não podemos ignorar este risco e peço a todas as partes que considerem e reflitam profundamente sobre esta situação. Uma vez que tomarmos esse caminho, será muito difícil mudar de direção. O olho por olho nos deixará todos cegos e o mundo em profunda recessão", acrescentou o diplomata brasileiro.

Após a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, vários países anunciaram que não ficariam com os braços cruzados e que estabeleceriam tarifas e barreiras comerciais a produtos dos Estados Unidos, o que fez crescer o medo generalizado de uma guerra comercial mundial. Em resposta, o Trump disse que as guerras comerciais "são boas e fáceis de vencer".

"Temos que fazer um esforço para evitar a queda das primeiras peças do dominó. Ainda temos tempo", destacou Azevêdo, mostrando a profunda preocupação da OMC, o órgão que rege o comércio mundial, com o atual impasse.

Taxação e protesto

Trump anunciou na quinta-feira que pretende impor tarifas de 25% nas importações de aço e 10% nas de alumínio, materiais que são essenciais para os setores de construção e manufatura. Em justificativa à ação, ele afirmou que as taxas protegem os produtores americanos e devem fomentar a criação de postos de trabalho. 

A União Europeia (UE) e diversos países, como China, Brasil, México, Canadá e Índia, alertaram que a decisão dos EUA pode provocar um efeito dominó e pedem que o governo americano reveja a taxação.

No Brasil, o anúncio de Trump provocou um protesto nesta segunda-feira em frente ao Consulado dos EUA em São Paulo e levou a suspensão dos serviços consulares, incluindo a emissão de vistos.

Organizado pela Força Sindical, o protesto contra a taxação do aço e do alumínio reuniu um pequeno grupo de manifestantes. A central sindical afirma que a decisão americana vai afetar a produção e a criação de empregos no Brasil.

A polícia militar fez um cordão para impedir a entrada de pessoas no local. O consulado suspendeu as atividades e afirmou que os vistos que seriam emitidos nesta segunda-feira serão remarcados.

CN/efe/rtr/afo/abr

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais