Ocidente pressiona Karzai por governo de unidade no Afeganistão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.10.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ocidente pressiona Karzai por governo de unidade no Afeganistão

Aliado do presidente afegão confirma que diplomacia ocidental pressiona pela formação de um governo de unidade com o adversário Abdullah Abdullah. Segundo turno poderia desestabilizar ainda mais o Afeganistão.

default

Karzai não quer reconhecer fraudes na eleição presidencial

Os Estados Unidos e a França estão empenhados em encontrar uma solução para a crise gerada pela controversa eleição presidencial no Afeganistão. Tanto o ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, como o senador democrata John Kerry estiveram neste final de semana em Cabul para manter conversações com líderes afegãos.

Segundo fontes diplomáticas, eles pressionaram ambas as partes – o presidente Hamid Karzai e seu principal adversário nas eleições, Abdullah Abdullah – para que formem um governo de unidade. "Eles querem que formemos um governo forte, um governo de coalizão", declarou o deputado Mohin Murstal, representante da equipe eleitoral de Karzai, confirmando a pressão internacional.

Após encontros em separado com os dois candidatos, Kouchner declarou neste domingo (18/10) que os dois lados se mostram dispostos a elaborar um programa conjunto. Segundo ele, a relação entre os oponentes "não é das piores". O chefe da diplomacia francesa confirmou que Karzai e Abdullah consideram formar um governo de unidade.

Caso um governo de unidade nacional não seja possível, outra hipótese seria a formação de um governo de transição que incluísse Abdullah e contemplasse a realização de novas eleições presidenciais junto com as legislativas marcadas para 2010.

Kouchner criticou Karzai, afirmando que ele deveria aceitar a possibilidade de ter obtido menos de 50% dos votos na eleição. "Estou intranquilo porque parece que nem todos estão dispostos a aceitar o resultado", declarou.

Segundo turno

A realização do segundo turno é a outra opção, caso fracassem as tentativas de formar um governo de unidade. Segundo o controverso resultado preliminar, Karzai obteve 55% dos votos, contra 28% de Abdullah. Mas, na sexta-feira passada, jornais norte-americanos publicaram que apenas 47% dos eleitores teriam votado em Karzai.

A Comissão de Queixas Eleitorais, que investiga as possíveis fraudes e é apoiada pela ONU, deveria ter entregue neste sábado os resultados de sua análise à Comissão Eleitoral Independente, mas não o fez. Um motivo seria a relutância de Karzai em aceitar o resultado dessa investigação.

Um diplomata ocidental afirmou neste domingo que Karzai não quer aceitar a possibilidade de que tenha havido fraude eleitoral. O presidente concorda com a existência de casos isolados, mas estes não influenciariam o resultado final. O negociador salientou que a realização de um segundo turno não é praticável por motivos logísticos e de segurança.

Num país já fragilizado, a realização de um segundo turno com participação incerta (o primeiro teve cerca de 38%) poderia desestabilizar ainda mais a situação, afirmam observadores. O segundo turno também teria que ser realizado logo, dada a iminente chegada do inverno. Daí a preferência ocidental pelo governo de unidade nacional.

AS/ap/afp/dpa/rtr

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais