Ocidente levanta dúvidas sobre vitória de Mugabe no Zimbábue | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.08.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ocidente levanta dúvidas sobre vitória de Mugabe no Zimbábue

Reeleição do presidente do Zimbábue é questionada internacionalmente. EUA afirmam que resultado "não corresponde à vontade do eleitorado". ONU pede investigação de denúncias de fraude. UE acusa "falta de transparência".

A vitória de Robert Mugabe nas eleições presidenciais no Zimbábue é questionada pela comunidade internacional. "O resultado das eleições, publicado no sábado, não corresponde à vontade do eleitorado, na opinião dos EUA", afirmou o secretário de Estado John Kerry. Segundo ele, nas eleições e nos preparativos para a votação haveria ocorrido "uma série de irregularidades".

Zimbabwe Afrika Wahl Ergebnisse Ergebnis

Eleitores conferem resultados: há denúncias de irregularidades na votação

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu uma investigação das denúncias de irregularidades na eleição. "Essas considerações devem ser investigadas de forma transparente e justa", defendeu Ban em Nova York. Entretanto, ele se declarou satisfeito que as eleições tenham transcorrido de forma pacífica.

A chefe da política externa da União Europeia, Catherine Ashton, comentou que a União Europeia está preocupada com a "falta de transparência", assim como com supostas irregularidades e denúncias de que nem todos os eleitores teriam podido votar. O governo alemão também reclamou de "falta de transparência" e "supostas irregularidades" no processo eleitoral do país africano.

Tsvangirai pretende recorrer

De acordo com cálculos da Comissão Nacional Eleitoral, em Harare, Mugabe obteve, já no primeiro turno, 61% dos votos, a maioria absoluta necessária. Seu principal rival, o primeiro-ministro do país, Morgan Tsvangirai, teria conseguido cerca de 34%. Com isso, o partido de Mugabe, o Zanu-PF, conseguiria uma maioria de dois terços no Parlamento. Até agora, o partido de Tsvangirai, o MDC, detinha a maioria dos 210 assentos da casa.

Simbabwe Wahlen Morgan Tsvangirai

Candidato Morgan Tsvangirai pediu para que cidadãos não recorram à violência

O comparecimento às urnas foi de 53%, de acordo com a Comissão. As eleições foram marcadas por acusações de que Mugabe e seu partido teriam manipulado a votação. Tsvangirai classificou o resultado como "farsa" e "fraude eleitoral". O político de 61 anos anunciou no sábado que vai recorrer ao Supremo Tribunal. "O país está rumando para uma séria crise política e econômica", previu Tsvangirai.

Ele pediu, entretanto, a seus compatriotas que abram mão de protestos em massa e atos de violência, apesar da "eleição roubada". Após as controversas eleições de 2008, uma onda de violência política tomou conta do país, causando a morte de mais de 200 pessoas.

MD/dpa/rtr

Leia mais