OCDE melhora previsões para PIB mundial, incluindo Brasil | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 16.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

OCDE melhora previsões para PIB mundial, incluindo Brasil

Impacto da pandemia levará a queda de 4,5% na economia mundial em 2020, previsão melhor que os 6% de junho. Para o Brasil, recuo deverá ser de 6,5%, e não de 7,4%.

O impacto da pandemia de coronavírus sobre a economia mundial provocará neste ano uma queda da atividade de 4,5%, uma estimativa menos pessimista que o cálculo anterior, de queda de 6%, afirmou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta quarta-feira (16/09).

Para 2021, a OCDE prevê que o PIB mundial crescerá 5%, ou 0,2 ponto percentual menos do que o estimado em junho. Porém, se a incerteza for maior do que o estimado e os surtos se intensificarem, o crescimento poderá ser 2,5 ou 3 pontos inferior.

Para o Brasil, a previsão também é melhor. A OCDE calcula agora uma queda de 6,5% em 2020, ante 7,4% em junho, e prevê uma alta de 3,6% em 2021, ante 4,2% em junho, no cenário mais otimista. No cenário mais pessimista, a alta no ano que vem seria de apenas 1%. A previsão anterior era de 2,4%.

Na Alemanha, a queda no PIB neste ano deverá ser de 5,4%, e não 6,6%, como anteriormente previsto. Na França, (9,5%), na Itália (10,5%) e na zona do euro (7,9%), o recuo deverá ser bem maior.

Já a China deverá crescer 1,8% neste ano e 8% em 2021, afirmou a organização.

Segundo a OCDE, se a confiança das empresas e dos consumidores aumentar mais rapidamente do que o previsto, os novos surtos de coronavírus exigirão apenas medidas de contenção leves e localizadas. No caso de ser encontrado um tratamento ou vacina mais cedo do que o previsto, o PIB mundial poderá crescer até 7% em 2021.

"O mundo está enfrentando sua desaceleração mais dramática desde a Segunda Guerra Mundial. Não há como amenizá-lo", disse o economista-chefe da OCDE, Laurence Boone, na apresentação do relatório, enfatizando que menos consumo, produção e investimento levam inevitavelmente a menos trabalho.

A OCDE ressaltou que seus cálculos estão sempre sujeitos à evolução da pandemia de covid-19 e às medidas de contenção adotadas pelos governos.

AS/lusa/rtr/efe

Leia mais