Obama apela pela união de europeus | Notícias internacionais e análises | DW | 25.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Obama apela pela união de europeus

"Mundo precisa de uma Europa forte e unida", afirma presidente dos EUA em Hannover, onde se encontra com Merkel, Cameron, Hollande e Renzi para debater desafios globais.

Obama e Merkel durante passeio pela Feira de Hannover

Obama e Merkel durante passeio pela Feira de Hannover

A visita do presidente dos Estados Unidos a Hannover foi uma decisão de última hora, estimulada por uma boa ocasião: a feira industrial que ocorre na cidade alemã. Hannover teve a segurança reforçada por milhares de policiais, e com ela o Castelo Herrenhausen, que oferece um espaço mais apropriado para conversas políticas.

A oportunidade de sentar à mesa com Obama e a chanceler federal alemã, Angela Merkel, fez com que o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o presidente francês, François Hollande, e o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, fizessem a curta viagem até a cidade alemã.

A reunião desta segunda-feira (25/04) não deveria ser mais do que um diálogo para a troca de opiniões – nada de minicúpula e muito menos um encontro do G5. O governo alemão se esforçou para que conversa de cerca de 90 minutos tivesse pouco destaque na mídia. Não foi planejada uma entrevista coletiva dos cinco líderes para a imprensa, por exemplo, e só fotógrafos e câmeras puderam se aproximar deles.

Obama certamente tinha muito a dizer a seus colegas europeus. O presidente americano deixou transparecer sobre o que exatamente falaria com eles durante o discurso que fez pouco antes na feira industrial. "O mundo inteiro precisa de uma Europa forte, próspera, democrática e unida", disse, sabendo que a União Europeia (UE) enfrenta um prova de fogo sem precedentes.

Os Estados Unidos precisam dos europeus mais do que nunca. Síria, Iraque, Afeganistão, Líbia, Ucrânia, as divergências com a Rússia – diante da abundância de problemas pelo mundo, seria um pesadelo para os EUA se a União Europeia desmoronasse. "Precisamos de uma Europa forte para que ela assuma sua parte nos esforços conosco", afirmou Obama.

O presidente americano garantiu ainda aos europeus que os Estados Unidos, "seu grande aliado e amigo", continuarão do seu lado. Obama ressaltou que uma Europa unida é "uma esperança para muitos e uma necessidade para todos". O convidado americano reforçou também que a Europa tem um papel decisivo no mundo.

"A Europa contribui para que as normas e regras com as quais a paz pode ser alcançada em todo o mundo sejam mantidas", disse Obama, citando como exemplos da cooperação estreita o acordo nuclear iraniano e o acordo do clima em Paris.

Mais recursos para a defesa

Obama afirmou ainda que não se pode permitir que fronteiras sejam redesenhadas. "Não através da violência militar", ressaltou, tendo em vista a Ucrânia. "A grandeza verdadeira não resulta da intimidação a vizinhos", afirmou, numa crítica à Rússia.

Mas o presidente americano exigiu dos europeus não somente união como também apoio concreto, especialmente no combate ao grupo extremista "Estado Islâmico" (EI). Para Obama, esse é o maior desafio da atualidade.

Em Hannover, ele anunciou o envio de mais 250 soldados americanos para a Síria para apoiar as milícias locais no combate aos jihadistas. O presidente americano fez ainda um apelo aos aliados para que aumentem sua contribuição para a Otan.

"A Europa foi, em alguns momentos, complacente em relação a sua própria defesa", disse, ressaltando a importância de que todos os membros da Aliança Atlântica contribuam com uma parcela equivalente a 2% de seu PIB. Obama já havia conversado sobre essas exigências com Merkel, durante o encontro deles no domingo.

Para o presidente americano, a chanceler alemã é a líder mais apropriada, entre os europeus, para manter o bloco unido. "Ela lidera com pulso firme. Podemos aprender com ela como liderar, como ela conduz as mãos. Não sei como chamar a forma como ela une as mãos. O losango da Merkel, acho", disse Obama.

O losango da Merkel também apareceu, com certeza, no encontro com Obama, Cameron, Hollande e Renzi. A conversa acabou durando quase duas horas. Após a reunião, o presidente americano deixou Hannover em direção a Washington.

Em seguida, os convidados de Londres, Paris e Roma também se despediram da chanceler, que acatou o pedido da imprensa e apresentou um comunicado sobre a reunião.

Segundo Merkel, o foco do encontro foram as crises políticas mundiais. A reunião tratou de problemas de política externa e buscou coordenar ações. "Queremos superar as questões mais urgentes da agenda segurança com um estreito trabalho em conjunto", disse a chanceler, acrescentando que isso se refere aos recentes apelos do presidente americano.

Parece que a mensagem de Obama por uma Europa mais forte e mais unida com os Estados Unidos foi entendida.

Leia mais