O ceticismo polonês à vacina contra a covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 04.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

O ceticismo polonês à vacina contra a covid-19

Desconfiança quanto a um imunizante contra coronavírus é generalizada no país e atrai celebridades, políticos e até pessoal médico.

Várias ampolas de vacina e uma seringa

Vacinação na Polônia começou em 27 de dezembro

Quando a jornalista polonesa Hanna Lis recentemente postou um tuíte relatando sobre um choque anafilático que teve, os canais de mídia social em toda a Polônia entraram em turbulência. Segundo ela, a reação alérgica havia sido o "pior trauma" de sua vida.

Embora ela não tenha relatado no tuíte o que exatamente desencadeou o problema, sua mensagem imediatamente levou a um debate acalorado sobre os potenciais efeitos colaterais das vacinas contra o novo coronavírus. Em particular, foram citados relatos do Reino Unido e dos Estados Unidos sobre vacinados que sofreram reações anafiláticas.

Lis não é uma militante antivacina declarada, está apenas pedindo que haja mais informação. O episódio em torno de seu tuíte foi significativo: muitas pessoas na Polônia estão preocupadas com a incipiente campanha de vacinação contra covid-19. Elas se sentem mal-informadas. O ceticismo à vacina é tão amplamente difundido na Polônia quanto em poucos outros países europeus.

Mas o governo polonês pouco faz para acabar com a desconfiança. Quase diariamente, o primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, informa em coletivas de imprensa sobre a chegada de remessas da vacina e aproveita para apelar aos compatriotas para que se imunizem. E ele fala com entusiasmo de um iminente "retorno à normalidade". Hanna comentou no Twitter: "Esta propaganda de que as vacinas são um sucesso tem um efeito contrário".

Superstição e feitiçaria

O sociólogo e especialista em saúde Tomasz Sobierajski, da Universidade de Varsóvia, fala de "propaganda de sucesso inflado". Ele próprio também não é um adversário da vacinação, mas se recusa a rotular os céticos simplesmente como "loucos". Segundo ele, o próprio governo é culpado pela desconfiança sobre a vacina,  por não conduzir uma campanha de informação. "Ao contrário de outros países ocidentais, nossa atitude em relação às vacinas é baseada em superstições e feitiçarias", disse ele ao jornal Gazeta Wyborcza.

Assistir ao vídeo 03:16

"Tento convencer os céticos a tomarem a vacina contra covid-19"

Por exemplo, quase ninguém tenta explicar às pessoas que, ao contrário do que muitos temem, a vacina contra covid-19 não afeta os genes humanos, diz Sobierajski. Por isso, o sociólogo não se surpreende que, segundo as pesquisas, apenas quatro a cinco de cada dez entrevistados querem ser vacinados. Afinal de contas, o ceticismo em relação a vacinas não é novidade na Polônia, pois menos de 4% das pessoas no país são vacinadas contra gripe, enquanto na Europa Ocidental a grande maioria se imuniza. "O resultado final é que ficaremos presos ao desespero pandêmico por um longo tempo", adverte Sobierajski.

Desconfiança e teorias da conspiração

Aos céticos juntam-se agora não só um número crescente de celebridades, mas também políticos do ligados ao governo. "Não serei vacinado", disse recentemente Janusz Kowalski, secretário de Estado do Ministério da Propriedade Estatal, em uma entrevista ao portal Wirtualna Polska. "É uma questão de liberdade e de escolha individual".

Assistir ao vídeo 02:03

"Teorias da conspiração sobre covid-19 são falsas e perigosas"

A vacinação também é considerada uma questão de liberdade de escolha pelos ativistas poloneses antivacina da associação Stop Nop (sigla para "acabem com reações indesejadas da vacina", em tradução livre). Nos últimos meses, o movimento vem questionando não apenas a vacinação, mas até mesmo a própria existência da pandemia de covid-19. A emissora de televisão privada NTV em Breslávia (Wroclaw_, que é financiada por doações, tornou-se sua plataforma. Seu fundador e chefe, Janusz Zagorski,disse à DW que quer "expor as mentiras em torno da covid-19".

Ele explica sua teoria: "A pandemia é um instrumento com o qual os poderosos deste mundo buscam controle sobre nossos cérebros". Segundo ele, a vacinação envolve a implantação de microchips sob a pele, que poderiam transmitir todas as informações sobre uma pessoa. "Você será capaz de escanear um ser humano como você hoje escaneia uma mercadoria em um supermercado", disse Zagorski, que é formado em Ciências Políticas. Ele conta, orgulhoso, que durante a pandemia o número de assinantes do canal aumentou em um terço, para mais de 300 mil.

Apoiadores da esquerda; críticos, da direita

Embora os partidários de tais teorias conspiratórias continuem sendo uma minoria na Polônia, o ceticismo generalizado sobre a vacinação vem se refletindo em pesquisas de opinião. De acordo com uma consulta realizada pelo instituto Ibris para o jornal Rzeczpospolita pouco antes do Natal, 47% dos entrevistados querem ser vacinados, enquanto 44% responderam que não (9% responderam "não sei"). A maioria das respostas afirmativas foi do grupo com mais de 70 anos (67%) e a menor nos grupos de 18 a 29 anos (29%) e 30 a 39 anos (28%). Quanto ao gênero, mais homens querem ser vacinados do que mulheres (59% contra 35%).

Há mais defensores da vacinação entre os adeptos da esquerda (82%) e da liberal Plataforma Cívica (65%). Entre o eleitorado do partido governista nacionalista de direita PiS, a cota é de 56%, e entre a direita radical Konfederacja, 5%.

De acordo com o chefe da Ibris, Marcin Duma, é difícil combater o ceticismo. Ele diz que não há muitos argumentos para contrariar a afirmação mais comum de que a vacina foi desenvolvida e aprovada muito depressa. "Na verdade, não há nada que explique por que foi bem sucedida em tão pouco tempo", diz Duma. "Muitos querem esperar até que os outros estejam vacinados, outro argumento difícil de derrubar".

Preocupações morais dos católicos

Na Polônia católica, um argumento relacionado ao uso de células de fetos abortados na produção de certas vacinas também desempenha um papel forte entre os críticos da vacinação. Este foi o caso apenas algumas vezes nos anos 1960, desde então as células então obtidas têm sido criadas artificialmente. Além disso, os abortos eram legais e não tinham nada a ver com o desenvolvimento de vacinas. No entanto, os oponentes da vacinação afirmam que fetos abortados são utilizados para a produção de vacinas.

Por um lado, o Vaticano apela à indústria farmacêutica para produzir exclusivamente "vacinas éticas", mas, enquanto não houver outras disponíveis, considera aceitável que sejam utilizadas vacinas baseadas em linhagens de células fetais. Em vista da pandemia, o Vaticano recentemente renovou essa posição.

Também a Conferência dos Bispos Poloneses segue essa posição. Uma declaração dos especialistas em bioética do episcopado polonês cita que o uso de vacinas baseadas em linhas de células fetais não deve ser interpretado como defesa do aborto. Portanto, qualquer pessoa, inclusive os católicos, poderia receber tais vacinas,caso não houver outro imunizante disponível.

Polônia em um bloqueio rígido

Semelhante a muitos países europeus, na Polônia as vacinações começaram em 27 de dezembro. Na fase "0", médicos e pessoal médico estão sendo vacinados. Mas mesmo neste grupo há céticos. Por isso, o governo está apelando por meio de um anúncio comercial para que os profissionais de saúde se inscrevam. Até agora, 400 mil funcionários do setor de saúde já o fizeram.

Cerca de 6,8 milhões de pessoas já foram testadas na Polônia, pouco menos de um quinto da população do país. Cerca de 1,3 milhão já contraíram Sars-CoV-2 e mais de 27 mil pessoas morreram por causa do vírus. Cerca de 8 mil novas infecções foram relatadas diariamente no fim de dezembro, o que representa uma queda significativa em relação a novembro, quando o número chegou a ultrapassar várias vezes as 30 mil novas infecções diárias. Entretanto, o premiê Mateusz Morawiecki espera que os números voltem a aumentar por causa das reuniões familiares durante a época de Natal.

A Polônia se encontra em um rígido confinamento entre 28 de dezembro e 17 de janeiro. O comércio permanece fechado, exceto estabelecimentos de produtos alimentícios e drogarias. A maioria das instalações esportivas, incluindo as estações de esqui, permanece fechadas. Na noite de Ano Novo, o governo apelou para que as pessoas não saíssem de casa entre 19 horas e 6 da manhã.

Leia mais